Blog da semana Fio De Prumo
No momento em que lança mais um livro - alguns textos que por lá li saíram deste blog... -, nunca é tarde para destacar a página pessoal de Helena Sacadura Cabral. Uma amiga, uma conselheira, uma sábia que gosto sempre de ler e ouvir. Não a dispenso da minha vida.
Uma boa frase “Marcelo ultrapassa sempre tudo quanto se pode esperar dele, e até nas águas mais encapeladas, ele não deixa de nadar bem. Pode não se gostar do estilo ou da filiação política. (...) Se a República fosse dinástica, diria que o lugar lhe estaria na massa do sangue. Ou de modo mais fino, que toda a sua vida fora preparado para esta função!". Helena Sacadura Cabral,
Fio de Prumo
Mais comentários e ideias: pedro.roloduarte@sapo.pt
Pesquisa
 
Ligações Antena 1
Central Parque, RTP3
O Hotel Babilónia na Antena 1 (com o João Gobern)
No Biography Channel

Arquvo
Mais comentados
Subscrever
Domingo, 26 de Fevereiro de 2012

 

there's a bluebird in my heart that
wants to get out
but I'm too tough for him,
I say, stay in there, I'm not going
to let anybody see
you.
there's a bluebird in my heart that
wants to get out
but I pur whiskey on him and inhale
cigarette smoke
and the whores and the bartenders
and the grocery clerks
never know that
he's
in there.

there's a bluebird in my heart that
wants to get out
but I'm too tough for him,
I say,
stay down, do you want to mess
me up?
you want to screw up the
works?
you want to blow my book sales in
Europe?
there's a bluebird in my heart that
wants to get out
but I'm too clever, I only let him out
at night sometimes
when everybody's asleep.
I say, I know that you're there,
so don't be
sad.
then I put him back,
but he's singing a little
in there, I haven't quite let him
die
and we sleep together like
that
with our
secret pact
and it's nice enough to
make a man weep,
but I don't weep,
do you?

 

(Bluebird, by Charles Bukowski)


publicado por PRD às 14:50
link | comentar | favorito
|

2 comentários:
Realidade não aceita máscara
Porque é real e descarada
Não esconde a nossa cara
Nem nossa alma asfixiada

Asfixiada pelo cheiro a morte
Dos nossos irmãos tombados
Por não terem melhor sorte
Ao fim do mês uns trocados

Não foi a fome, foi o vírus
Circula com maior intensidade
Nem foi falta de medicação

Temos que arranjar antivírus
Para combater a insensibilidade
Da nossa brilhante governação.

http://rr.sapo.pt/informacao_detalhe.aspx?fid=31&did=52342

deixado em 28/2/12 às 06:16
responder a comentário

"there's a bluebird in my heart that"...

Sabemos voar cada vez que escolhemos as palavras certas de nos dizer...
Linda a fotografia, Pedro!:)

deixado em 28/2/12 às 14:44
responder a comentário

Comentar post

Post-it

Ler mais

Ler mais