Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pedro Rolo Duarte

19
Jun12

Quatro coisinhas sobre o Euro, no estado em que estamos, com Ronaldo

Um. A ironia dos apuramentos, ao lado da Alemanha, dos clubes do sul da Europa – Grécia, Espanha, Portugal, Itália – dá dois tipos de interpretação. Ou consideramos que isto é uma lição para o “resto” da Europa que nos encosta à parede e nos submete à austeridade, e lhe gritamos “Então? Existimos ou não?”...

... Ou permite-lhes a “eles” fazer o pleno da razão: aquela gente não sabe o que é trabalhar, passa a vida a jogar à bola, não admira que até ganhe campenonatos...

 

Dois. O número de programas e de comentadores que os canais de televisão – especialmente no cabo – puseram no ar nas últimas semanas, deu razão à velha ideia: em cada português, um potencial seleccionador nacional. Mas, para mim, a eleger um paradigma desta nossa especialidade espontânea que é a de comentar, comentar, comentar, não teria duvidas: escolho a mudança de nome de Oceano. Foi jogador de futebol sempre com o mesmo nome: Oceano. Renasceu como comentador do Euro 2012, e ganhou um blazer e um apelido: Cruz, Oceano Cruz. O futebol é mesmo assim, e o que conta, oiço dizer, não são os golos, mas as finalizações. Um apelido faz toda a diferença.

 

Três. Tenho a humildade de reconhecer que sei pouco de futebol, e que resumo o meu entusiasmo ao Benfica e à Selecção, nos momentos cruciais, ou quando o meu filho me convoca para o tema. Ainda assim, como todos os 10 milhões de portugueses, tenho aquele estranho tique da opinião. E neste caso, como no passado, o tique deu-me sempre para o mesmo lado. Que é este: sendo certo que é indesculpável que o melhor jogador de futebol do Mundo, com tudo o que isso implica, tenha “dias”, e haja “momentos”, e “jogadas infelizes”, não é menos certo que Cristiano Ronaldo tem provado, com metódica regularidade, que merece os seus créditos e que as qualidades compensam largamente algum egoísmo ou complexo de miúdo tardiamente mimado. Crucificá-lo num jogo que lhe correu mal é mais ou menos o mesmo que pedir ao Plácido Domingo que nunca desafine. Não é possível – e mesmo que fosse possível, não seria normal.

 

Quatro. A circunstância do Euro-2012 ocorrer no olho do furacão da crise europeia tem dado um colorido diferente à imprensa do continente, em geral, por envolver países falidos em vitórias, ou países líderes em derrotas. A Alemanha sempre de fora, claro. Mas a nossa imprensa tem aproveitado melhor esta combinação - seja pelo ironia, pelo sarcasmo, ou vá lá: pelos factos! Por mim, dou graças aos nossos jornais. Têm conseguido “triangular” os factos políticos, económicos e desportivos com o espírito que em geral nos safa da mais profunda depressão. Gosto disso.

6 comentários

Comentar post

Blog da semana

Ladrões de Bicicletas. Voltar a um dos mais clássicos blogues colectivos de análise e pensamento social e político e reencontrar excelentes textos, opiniões pensadas antes de escritas, e o prazer de um bom serão ao sofá a ler. Like.

Uma boa frase

“O centrão político - conservadores, liberais, social-democratas, trabalhistas - anda há mais de vinte anos a liberalizar os movimentos de capitais, a desregulamentar as actividades financeiras, a promover o "comércio livre", menorizando as consequências resdistributivas destas opções. Andaram a promover a ideia de que o mundo é mais bem gerido pela "mão invisível" dos mercados do que pelos poderes democraticamente eleitos. De que é que precisam mais para perceber que este é o resultado da sua globalização: que Marine Le Pen vença as presidenciais francesas?" Ricardo Paes Mamede, Ladrões de Bicicletas

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D