Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pedro Rolo Duarte

18
Ago12

Eu, Scarlett e Woody

(Crónica originalmente publicada na revista Lux Woman)

 

Tenho um amigo que passa a vida a contar a história que prova que sou hipocondríaco: certo dia viu-me entrar numa Farmácia e perguntar “o que é que há de novo?”, como se os medicamentos fossem amaciadores de cabelo. O episódio é verdadeiro e o meu amigo é bem-intencionado, achando que há relação entre a hipocondria e a pergunta. Mas não há: o que ele conta não foi mais do que uma palhaçada minha, aproveitando a fama para usufruir do proveito. Uma brincadeira que me ficou para a vida...

Não, eu não costumo perguntar o que há de novo nas farmácias, a não ser quando compro “Ultra Levure”, “Kompensan” ou “Brufen”, porque tenho a natural tentação de querer saber se porventura há avanços farmacológicos nos domínios dos medicamentos que tomo, quando deles preciso, desde que nasci. Se tudo evolui, por que raio ainda existe o “Ultra Levure”?

Mas, dito isto, confesso: sou hipocondríaco. Tenho os sintomas das doenças que terceiros me descrevem, sinto-me mal quando estou próximo de quem está mal, e há dias fiquei de cama depois de visitar um amigo no hospital. Ele, o meu amigo, não sabe de nada, mas a verdade é que comecei a sentir-me doente quando estacionei o carro no parque do Hospital, piorei no piso zero, e já transpirava quando entrei no seu quarto, no quinto andar. Aguentei a visita estoicamente, sem sinais exteriores da minha pobreza, mas nesse dia, à noite, a coisa correu pessimamente: abandonei um jantar a meio, indisposto, e só melhorei com um calmante e muita água das pedras.

Sucede que sou um estudioso amador da mente humana e gosto de dominar os temas. Não foi difícil perceber que o problema daquela visita ao Hospital tinha sido a descontracção com que parti para a visita. Isto é: se já sabia da minha condição e tenho tendência a reagir de forma reflexa, a solução para o problema seria ter equacionado a visita antes dela ocorrer. Foi o que fiz uns dias depois: voltei a visitar o amigo no hospital e senti-me bem, porque controlei previamente os danos que podiam chegar.

(Segue-se um parágrafo não aconselhado a menores de 18 anos)

Até porque a minha hipocondria é esquisita: tenho medo de ir ao médico e saber “a verdade” e prefiro a terrível praga do autodiagnóstico (estupidamente potenciada pela internet!), que constrói quadros demoníacos sobre gripes e transforma um espirro num ataque de epilepsia. Se puder, escolho a minha medicação. A dois anos dos cinquenta, este quadro de miséria começa a constituir, efectivamente, uma preocupação. Gostava de ser diferente – mas receio que já vá tarde.

Pensava na solução para o problema, depois de uns dias novamente entregue a uma constipação que travesti de pneumonia, quando vi a luz. Foi na imprensa, por estranho que vos possa parecer. E foi só isto: li numa revista credível que a palavrinha mágica que juntou Scarlett Johansson e Woody Allen foi... hipocondríacos. Os dois: "A razão que faz com que eu e o Woody sejamos amigos é porque já lhe diagnostiquei uma data de doenças.  Já lhe dei medicamentos que depois ele pediu ao médico para lhe receitar", disse a actriz. Eu li.

Há melhor para um hipocondríaco do que o remoto cenário, porém possível, da minha paranóia me aproximar de uma Scarlett Johansson? Até mesmo de um Woody Allen? Por hoje é tudo. Sinto-me um homem novo e podem dizer o que quiserem. Vou andar na rua atento a quem se cruza comigo. Hipocondríaco, mas vão ver: muitíssimo bem acompanhado. Ainda vão ouvir falar de mim.

1 comentário

Comentar post

Blog da semana

Ladrões de Bicicletas. Voltar a um dos mais clássicos blogues colectivos de análise e pensamento social e político e reencontrar excelentes textos, opiniões pensadas antes de escritas, e o prazer de um bom serão ao sofá a ler. Like.

Uma boa frase

“O centrão político - conservadores, liberais, social-democratas, trabalhistas - anda há mais de vinte anos a liberalizar os movimentos de capitais, a desregulamentar as actividades financeiras, a promover o "comércio livre", menorizando as consequências resdistributivas destas opções. Andaram a promover a ideia de que o mundo é mais bem gerido pela "mão invisível" dos mercados do que pelos poderes democraticamente eleitos. De que é que precisam mais para perceber que este é o resultado da sua globalização: que Marine Le Pen vença as presidenciais francesas?" Ricardo Paes Mamede, Ladrões de Bicicletas

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D