Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pedro Rolo Duarte

19
Ago12

O direito à resposta (e à profissão de jornalista...) segundo José Manuel Fernandes

(Ora bem, adenda... Algumas horas depois deste meu post ter sido colocado, lá veio, tardiamente, o comentário no Blasfémias, coitado, lento, atrás de outros comentários posteriores, e depois da propria plataforma o ter dado como apagado. Afinal a História sempre se reescreve. É preciso é jeito...)

 

Na quinta-feira passada, publiquei neste blog um post, sob o titulo História Breve de um Engano, em que reproduzia citações usadas pelo historiador Manuel Loff num artigo do Público, para dizer que a História de Portugal de Rui Ramos me parecia, a ver por aquelas frases, pouco séria no que ao período do Estado Novo diz respeito. Afirmava, claramente, que não lera a dita História, mas que as frases retiradas do livro eram por demais evidentes do que estava em causa.

Caiu-me o Carmo e a Trindade em cima e eu, na minha humilde atitude, respondi – vou usar a resposta que dei no Facebook ao colunista Pedro Lomba – assim: “nada como "realmente": vou ler, concluir por mim, e se for caso disso, emendarei a mão, como sempre fiz/faço quando me engano”.

Dois dias depois, no blog Blasfémias, o jornalista José Manuel Fernandes publica um post intitulado “Um é apenas intelectualmente desonesto; os outros nem sei classificar”, que pode ser lido na íntegra aqui, onde arrasa o artigo de Manuel Loff – curiosamente publicado no jornal de que JMF foi director e é ainda colunista semanal – e às tantas escreve: “se já era mau termos um Loff, é muito pior termos galinhas a cacarejar o que Loff diz sem sequer se darem ao trabalho de pensar. Pessoas que, espante-se, sentenciam o livro de Ramos ao mesmo tempo que admitem não o ter lido. Refiro-me a alguém que se intitula como jornalista, Pedro Rolo Duarte, que pretende fazer graça com este livro apesar de começar o seu texto a dizer que não o leu. E refiro-me também a um dos “politólogos” mais requestado pelas televisões, André Freire, que utilizou o Facebook para também confessar a sua ignorância sobre o livro e, logo a seguir, apoiar as teses de Loff. Nem sei que pensar. Talvez estes dois opinadores tenham achado que era melhor opinarem já em vez de serem desmentidos se lessem o livro. Talvez tenham tido medo de serem intelectualmente desonestos se lessem o livro e, depois, o acusar de ser o que não é. Assim preferiram ser apenas desonestos e botarem faladura sobre o que não conhecem. É o país que temos, que mais se pode dizer”.

Achei que devia responder/esclarecer o jornalista na Caixa de Comentários do blog. Assim fiz.

Porém, José Manuel Fernandes achou preferível usar os métodos que tantas vezes critica nos outros (talvez mesmo em Manuel Loff...), e não permitiu que o meu comentário figurasse entre os quase vinte que lá estão. Mandou-o direitinho para o lixo. É espantosa a atitude, para quem tem a boca tão cheia de liberdades de expressão.

No Blasfémias não está, portanto, o meu comentário. Ficará então aqui, com um remate que roubo descaradamente a José Manuel Fernandes: “É o país que temos, que mais se pode dizer”.

E o comentário censurado – ou talvez apenas evitado, não aprovado, rejeitado, menos querido, adociquem-se as palavras à vontade do dono... dizia assim:

"Caro José Manuel Fernandes: limitei-me a usar citações objectivas e factuais que Manuel Loff retirou do livro coordenado por Rui Ramos. Já respondi a outro comentador, Pedro Lomba, no mesmo sentido: vou conferir no livro se aquelas frases foram ou não escritas na citada História de Portugal. É verdade que dei mais crédito ao texto de Loff, que não conheço nem sei quem é, por vir nas páginas do Público, jornal de que Vc foi director e que me habituei a respeitar e tomar por sério mesmo quando se trata de publicar textos de opinião. Se porventura houver engano ou embuste, não deixarei de dar a mão à palmatória, como sempre o fiz e farei. Errar é humano. Quanto à denominação “alguém que se intitula jornalista” sobre a minha pessoa, além de lhe ficar mal tal consideração – já partilhámos até debates públicos… – informo-o de que possuo a carteira profissional com o nº 3071 e, ao longo dos ultimos 30 anos, fui, entre outros, jornalista e editor-adjunto de O Independente, director-adjunto do jornal Sete, editor-geral da revista Visão, editor-geral da revista K, director do suplemento DNA, subdirector do Diário de Noticias, editor da revista “Nós” do jornal “i”. Só para falar em imprensa. Acha que me intitulo jornalista e não devia? Pode explicar-me porquê?"

José Manuel Fernandes não publicou nem respondeu. Achou que este comentário não merecia figurar ao pé de elevados pensamentos que lá estão como “A bem dizer é isso mesmo: Cocó, Ranheta e agora chegou o Facada”.

Gente fina é outra coisa.

7 comentários

Comentar post

Blog da semana

Ladrões de Bicicletas. Voltar a um dos mais clássicos blogues colectivos de análise e pensamento social e político e reencontrar excelentes textos, opiniões pensadas antes de escritas, e o prazer de um bom serão ao sofá a ler. Like.

Uma boa frase

“O centrão político - conservadores, liberais, social-democratas, trabalhistas - anda há mais de vinte anos a liberalizar os movimentos de capitais, a desregulamentar as actividades financeiras, a promover o "comércio livre", menorizando as consequências resdistributivas destas opções. Andaram a promover a ideia de que o mundo é mais bem gerido pela "mão invisível" dos mercados do que pelos poderes democraticamente eleitos. De que é que precisam mais para perceber que este é o resultado da sua globalização: que Marine Le Pen vença as presidenciais francesas?" Ricardo Paes Mamede, Ladrões de Bicicletas

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D