Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pedro Rolo Duarte

29
Ago12

Pedido de Desculpa

Este é, em primeiro lugar, um pedido de desculpas ao historiador Rui Ramos e à equipa que, com ele, coordenou e escreveu a História de Portugal que a editora Esfera dos Livros publicou, há algum tempo, e o jornal Expresso decidiu oferecer, em fascículos, ao longo deste Verão. Mas é também, e especialmente, um pedido de desculpas aos leitores deste blog.

No passado dia 17 de Agosto postei o texto que aqui se pode ler. Ao contrário do que noutro blog escreveu o jornalista José Manuel Fernandes, não estava a brincar com a obra – estava a coleccionar os fascículos da História de Portugal (HdP) de Rui Ramos com o objectivo de a enviar ao meu filho, que está a estudar longe daqui -, e o meu post resultou exclusivamente da leitura de crónicas que o historiador Manuel Loff publicou no diário Público. Tomei então como certas algumas considerações que prefiguravam uma grosseira reescrita do nosso Século XX: a acreditar na conjugação entre citações do livro e opiniões de Manuel Loff, a HdP de Rui Ramos classificava a ditadura de Salazar como uma suave monarquia constitucional, ignorava a PIDE, as prisões politicas, a tortura, as mortes no Tarrafal, e dava como certa a existência de eleições livres. Não falando da Guerra Colonial e dos partidos políticos e sindicatos clandestinos.

Como venho agora a comprovar, depois de ler os capítulos que são dedicados a este período da nossa História, precipitei-me e errei. Como blogger, fui a chamada “Maria vai com as outras” – e como jornalista (ainda que aqui, no blog, eu seja apenas o cidadão Pedro Rolo Duarte, não deixo de ser sempre um jornalista...) ignorei olimpicamente as mais básicas regras da minha profissão, confiando na construção (que venho a verificar ser esfarrapada e lamentável) do colunista do Público..

Na verdade, Manuel Loff manipula, extrapola, inventa e deturpa, de forma rasteira e sem pingo de vergonha, o que Rui Ramos escreve. O Estado Novo é descrito ao longo do livro com rigor, ainda que sem militância, como aliás deveria sempre ser. Não se diaboliza a ditadura – como não deixa de se lembrar os males que nos trouxe, chegando a ser comparada com o regime de Mussolini em Itália. O que Rui Ramos fez de diferente em relação a outros tratados sobre a História portuguesa do século passado foi justamente não alinhar nos lugares-comuns da esquerda ou da direita, e deixar antes uma perspectiva enquadrada, distanciada e factual do regime anterior à revolução de 1974, acrescentando ainda um olhar também desapaixonado sobre os anos de 74 a 76, PREC e descolonização incluídos.

Tudo o que Manuel Loff escreveu e criticou no Público pode ser contraditado, desmentido, desmontado, linha a linha, nas páginas da HdP. Talvez valha a pena ler a resposta do próprio Rui Ramos, aqui, para que se perceba até onde foram enganados e manipulados aqueles que leram ingenuamente, como eu, a crónica de Manuel Loff.

Confesso que, a meu favor, só tenho dois argumentos: a assertividade e convicção da prosa de Loff convencem facilmente o leitor mais incauto; e o facto de ter sido editada num jornal de referência, com a qualidade do Público, oferece à partida garantias que não julgava poderem estar em causa.

Nenhum destes factos, porém, muda o essencial: ao embarcar, sem os cuidados necessários, na falácia de Manuel Loff, acabei enganando-me a mim próprio e enganando os leitores deste blog. Fui alvo de duras críticas em diversas plataformas – e, descontando os exageros que assinalei em diversos posts, não deixei de abrir portas a um pedido de desculpa.

Ele aqui está. Com humildade mas, paradoxalmente, com orgulho. Só não parte um prato quem não mexe na loiça.

 

(E uma certeza: mal o Expresso acabe de oferecer os fascículos que compõem o livro, ele segue para a morada do António Maria lá do outro lado do Mundo. Tranquila e livremente, lerá quando lhe der vontade de “passear” um pouco pelo seu país e pela História que nos trouxe até aqui, e a ele... até lá!)

31 comentários

Comentar post

Pág. 1/3

Blog da semana

Ladrões de Bicicletas. Voltar a um dos mais clássicos blogues colectivos de análise e pensamento social e político e reencontrar excelentes textos, opiniões pensadas antes de escritas, e o prazer de um bom serão ao sofá a ler. Like.

Uma boa frase

“O centrão político - conservadores, liberais, social-democratas, trabalhistas - anda há mais de vinte anos a liberalizar os movimentos de capitais, a desregulamentar as actividades financeiras, a promover o "comércio livre", menorizando as consequências resdistributivas destas opções. Andaram a promover a ideia de que o mundo é mais bem gerido pela "mão invisível" dos mercados do que pelos poderes democraticamente eleitos. De que é que precisam mais para perceber que este é o resultado da sua globalização: que Marine Le Pen vença as presidenciais francesas?" Ricardo Paes Mamede, Ladrões de Bicicletas

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D