Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pedro Rolo Duarte

23
Set12

Dá-me música...

(Crónica originalmente publicada na revista Lux Woman. A de Outubro saiu agora mesmo...)

 

Antigamente havia sinais óbvios da idade: a calvície, ou os cabelos brancos, as rugas à volta dos olhos e dos lábios, o pescoço e as mãos enrugadas. O discurso paternal - “no meu tempo, sabes lá...” -, marcava a diferença. Os mais velhos distinguiam-se dos novos com argumentos e factos evidentes, claros, inequívocos. E aos sinais exteriores, correspondiam os sinais interiores: ler os clássicos, citar Eça de Queiroz, gostar de música clássica, cultivar o cinema menos comercial. Era assim, e eu gostei que fosse assim.

Mas agora, que me aproximo dos 50 anos e julgava ter chegado a minha hora de dizer “rapaz, sabes lá o que é música...”, confronto-me com a mudança. A idade deixou de ter sinais óbvios – e não foi apenas, nem essencialmente, por razões cirúrgicas. Podemos esticar a pele, retocar o que a lei da gravidade condena, apaziguar as noites mal dormidas. Mas o que o nosso disco rígido guarda, minhas senhoras, esqueçam lá isso: é o que é.

Nesse sentido, sinto que pertenço à última geração dos que achavam que o rock e a música pop tinham um tempo, e esse tempo era o da juventude dos seus protagonistas.

Cresci a imaginar que os Beatles eram um fenómeno geracional e deixaria de fazer sentido quando fosse adulto (e já em bónus, porque os Beatles são realmente do tempo do meu irmão António), e era obvio que os Rolling Stones acabariam quando um deles fosse pai ou sucumbisse a uma overdose. O que me ensinaram foi bastante linear: o rock é uma música própria da miudagem, e quando se chega à idade adulta ouvem-se cantautores (talvez a mais feia designação que jamais ouvi...) e música clássica. No limite, cada geração teria o seu rock, como se fosse um tipo de refrigerante, ou um daqueles gelados da Olá que duram um Verão. O problema é que não foi nada disso que sucedeu.

A miudagem cresceu, os adolescentes dos anos 60 tem agora pelo menos 70 anos, não se inova na música popular, mais coisa menos coisa, desde os Joy Divison, o que significa 30 anos a refazer musica já feita. Há crianças de 5 anos a ouvir Beatles, o meu filho gosta de Rui Veloso, e conheço uma melómana moderna que descobriu Sting há dois meses e hoje não pára de ouvir canções que os Police tocavam em 1982...

Num dos Festivais de Verão deste ano, o homem que atraiu mais gente ao recinto chamava-se Peter Gabriel, tem 62 anos, e a primeira vez que actuou em Portugal ainda eu não tinha autorização dos meus pais para sair à noite, quanto mais para um concerto em Cascais. As gerações cruzaram-se, misturaram-se, e convivem alegremente à volta de todos os tipos e de todas as idades da musica.

Como definir diferenças, se não há quem não goste de Xutos & Pontapés? Como podemos estabelecer patamares de autoridade, se os sobrinhos nos vêem beber cerveja e abanar o corpo no Rock in Rio ao som de Bruce Springsteen?

Não sei se é uma boa notícia, mas é a notícia que tenho para dar: o conflito de gerações entrou em modo “sleep” no que à música diz respeito. Deixámos de ter autoridade moral e somos pouco respeitados.

Por um lado, sempre desejámos esta comunhão e interacção. Por outro, mostramos a cada concerto que somos iguais a eles, aos filhos (e nalguns casos, já aos netos...), no melhor e no pior. Faz lembrar aquele conselho que os esotéricos dão: cuidado com o que deseja, há fortes probabilidades de se tornar realidade. Amámos tanto a musica que a nossa adolescência nos deu, que ela agora contagia os nossos filhos e não sabemos o que fazer.

Ou sabemos. Eu sei: é ouvir, dançar, e querer mais.

5 comentários

Comentar post

Blog da semana

Ladrões de Bicicletas. Voltar a um dos mais clássicos blogues colectivos de análise e pensamento social e político e reencontrar excelentes textos, opiniões pensadas antes de escritas, e o prazer de um bom serão ao sofá a ler. Like.

Uma boa frase

“O centrão político - conservadores, liberais, social-democratas, trabalhistas - anda há mais de vinte anos a liberalizar os movimentos de capitais, a desregulamentar as actividades financeiras, a promover o "comércio livre", menorizando as consequências resdistributivas destas opções. Andaram a promover a ideia de que o mundo é mais bem gerido pela "mão invisível" dos mercados do que pelos poderes democraticamente eleitos. De que é que precisam mais para perceber que este é o resultado da sua globalização: que Marine Le Pen vença as presidenciais francesas?" Ricardo Paes Mamede, Ladrões de Bicicletas

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D