Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pedro Rolo Duarte

21
Fev08

Todos juntos

Costuma ser um dos motivos para criticar, um argumento para deitar abaixo, e obviamente um escândalo deontológico a condenar. Pois bem: eu aprecio o facto da TVI colocar todos os seus profissionais e colaboradores ao mesmo nível nas galas de aniversário.
(OK, eu sei que é politica e intelectualmente incorrecto, mas agora já está)
Gosto de ver os jornalistas despirem a farda oficial da seriedade e darem um ar da sua graça – mesmo que alguns deles possam não ter ponta de graça. Para o que neste caso me interessa, é indiferente a qualidade do desempenho no palco do Coliseu: o que acho saudável, maduro e inteligente é criar ao longo de uma noite uma plataforma homogénea de profissionais que, juntos, festejam o mesmo momento. Sem a bolorenta barreira que normalmente separa os apresentadores, os actores, dos jornalistas.

No futuro (aliás, em rigor, já no presente...), num canal de TV, em qualquer media, todos são comunicadores. Todos devem saber comunicar bem. E ao vestirem a camisola da estação onde trabalham, todos podem partilhar as alegrias e os sucessos num mesmo tempo.
A programação da TVI não me tem como destinatário na maioria dos seus horários. Muitos das suas estrelas, eu nem conheço. Mas gostei de ver, a noite passada, no 15º aniversário da estação, os jornalistas, os actores, os apresentadores, os cantores, juntos num mesmo programa. Eles estão certos. O caminho dos media passa por aquela ideia: a de uma equipa única, a de uma só imagem, a de uma inteligente capacidade multidisciplinar.

10 comentários

Comentar post

Blog da semana

Ladrões de Bicicletas. Voltar a um dos mais clássicos blogues colectivos de análise e pensamento social e político e reencontrar excelentes textos, opiniões pensadas antes de escritas, e o prazer de um bom serão ao sofá a ler. Like.

Uma boa frase

“O centrão político - conservadores, liberais, social-democratas, trabalhistas - anda há mais de vinte anos a liberalizar os movimentos de capitais, a desregulamentar as actividades financeiras, a promover o "comércio livre", menorizando as consequências resdistributivas destas opções. Andaram a promover a ideia de que o mundo é mais bem gerido pela "mão invisível" dos mercados do que pelos poderes democraticamente eleitos. De que é que precisam mais para perceber que este é o resultado da sua globalização: que Marine Le Pen vença as presidenciais francesas?" Ricardo Paes Mamede, Ladrões de Bicicletas

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D