Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pedro Rolo Duarte

22
Fev08

Cá se fazem...

Estávamos à conversa sobre a situação de Lisboa e o mais avisado e lúcido do grupo disse o que ninguém queria admitir mas parecia óbvio:

- Os lisboetas vão ter de pagar esta crise. A solução só pode passar pelo aumento de taxas e impostos municipais.
Ainda se falou de alienação de património, mas já não me interessou ouvir.

Como lisboeta, percebi que muito provavelmente o meu dinheiro vai contribuir para tapar o buraco criado pela incompetência, negligência, inépcia, amadorismo (e, se investigarem bem, corrupção, tráfico de influências, fretes e favores) dos últimos 20 anos.
Por uma questão de higiene e saúde políticas, eu acharia que, antes de nos cobrarem impostos e taxas acrescidas, poderiam os senhores-que-nos-representam legislar e fazer cumprir no sentido de arrestar/penhorar/hipotecar/confiscar, sem dó nem piedade, as casas, os carros, as quintas, as empresas, os lucros, as acções (e o mais que fosse...) de todos os políticos responsáveis directa e indirectamente pela situação a que Lisboa chegou. Era o mínimo. Era um exemplo. Era um aviso. E ficávamos a saber quem eram eles, também...
A totalidade dos bens destes “bons rapazes” não resolveria o problema – mas seria um impulso para que pessoas como eu pagassem com menos resistência um qualquer agravamento de impostos...
Tal como a condenação do PSD e da Somague no caso do financiamento político, sendo uma agulha do palheiro destas troca de favores, tem a virtude de alertar consciências e obrigar os líderes dos partidos (e os empresários...) a cumprir leis, também um acto exemplar do Estado português contra os responsáveis políticos pela rotura financeira da Câmara constituiria um sinal de alerta para esse mundo obscuro, e cada vez menos recomendável, que é o das autarquias. Lisboa é a maior – mas não está sozinha neste “estado de sítio”.
Sei que nada disto vai suceder – e o mais certo será o nosso dinheiro suportar, sob a forma de impostos agravados agora ou “inventados” no futuro, a má gestão destes tempos. Mas eu não me resigno – e por isso, sempre que for caso disso, voltarei à carga com esta ideia prosaica e simples: cá se fazem, cá se deviam pagar...

9 comentários

Comentar post

Blog da semana

Ladrões de Bicicletas. Voltar a um dos mais clássicos blogues colectivos de análise e pensamento social e político e reencontrar excelentes textos, opiniões pensadas antes de escritas, e o prazer de um bom serão ao sofá a ler. Like.

Uma boa frase

“O centrão político - conservadores, liberais, social-democratas, trabalhistas - anda há mais de vinte anos a liberalizar os movimentos de capitais, a desregulamentar as actividades financeiras, a promover o "comércio livre", menorizando as consequências resdistributivas destas opções. Andaram a promover a ideia de que o mundo é mais bem gerido pela "mão invisível" dos mercados do que pelos poderes democraticamente eleitos. De que é que precisam mais para perceber que este é o resultado da sua globalização: que Marine Le Pen vença as presidenciais francesas?" Ricardo Paes Mamede, Ladrões de Bicicletas

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D