Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pedro Rolo Duarte

29
Out12

Old media, new media

O texto mais lúcido e interessante que li nos últimos tempos sobre a crise dos media no mundo ocidental foi publicado na edição de fim-de-semana do Financial Times, pela mão do pintor e pensador David Hockney.

Mantendo a sua clássica ligação ao conceito “bigger”, desta vez ele pretende que vejamos “The Bigger Picture” (titulo da sua mais recente exposição), aquela em que o espectador não tem apenas um infinito, mas múltiplos infinitos para observar e analisar. É um novo tempo no mundo mediático, marcado pelo fim daquilo a que chama “old media”: televisão, cinema e jornais, tal como os entendemos e consumimos. “The old media needed stars. In the new media your friends are the stars”, escreve Hockney, parecendo banal. Surpreende logo a seguir: “Without the old media, how wil you get famous on YouTube?”. Ele está um passo à frente em relação ao presente...

Entre outras provocações, David Hockney deixa esta: “The age of the mass media is also the age of mass murder. That is probably no accident. The terrors of the 20th century – Nazi Germany, Soviet Russia and Mao’s China – needed control of the mass media”. Hoje, acredita, isso não é mais possível porque os media estão nas mãos de toda a gente, e são sua propriedade.

O artigo tem o titulo “The mass media has lost its perspective” link aqui... -, e constitui um desafio para jornalistas, editores e empresários dos media: entender a evolução e o futuro dos meios de comunicação através dos paralelos que estabelece com a pintura, do cubismo à invenção da perspectiva. E encontrar formas mais imaginativas de pensar o futuro...

 

... Pelo menos, mais criativas do que aquelas que conduzem a artigos como o que, no ultimo Expresso, procura explicar o estado da nossa comunicação social. Lendo este texto, como outras matérias que a imprensa tem publicado sobre o seu estado, a crise económica sustenta e explica sozinha as quebras de vendas, potenciadas depois pela baixa no investimento publicitário - e não há quem aceite que o momento que a comunicação social vive resulta mais do seu autismo conservador na reflexão sobre si própria, e de uma terrível incapacidade criativa de responder ao novo paradigma do consumo de informação, do que de uma fase critica, necessariamente passageira, da economia. Quando a crise passar – sim, um dia ela vai passar... -, as empresas de comunicação social vão acordar e perceber que foram mais vítimas do seu imobilismo do que da falta de investimento publicitário. E que talvez tenham perdido a oportunidade de apanhar o comboio do futuro.

Por força de quererem perceber qual o modelo de negócio que se segue, e de não perder um cêntimo, estão a passar ao lado da sua essência: observar, entender, e mostrar o mundo actual, e a partir deste ponto responder às novas tendências com criatividade e imaginação. Assim foi no passado, assim deveria ser no presente. Mas não: os media produzem hoje a mesmíssima informação do passado, com as básicas adaptações técnicas e informáticas que as novas plataformas pedem. Falta ousadia e faltam ideias – exactamente onde sobram paradoxos, replicações e as agendas de sempre.

Nessa medida, ler a análise de David Hockney (não é demais lembrar que o senhor caminha para os 80 anos...) é inspirador e traz boa energia.

Devia estar no palco da conferência sobre o futuro dos Media que o Expresso e a SIC Noticias promovem por estes dias – e devia estar na mesa de trabalho daqueles que editam os jornais e as revistas que se queixam da crise, enquanto vivem em mais do mesmo, num arco cansado que vai dos “novos paraísos algarvios” às “dietas da moda”, e do “sexo que resiste à crise” aos “refúgios para um fim-de-semana com Mr. Grey”. Quem quer ler o que já leu? Pior: quem quer ler o que nunca quis ler?

Ver “The bigger picture” passa por aí.

1 comentário

Comentar post

Blog da semana

Ladrões de Bicicletas. Voltar a um dos mais clássicos blogues colectivos de análise e pensamento social e político e reencontrar excelentes textos, opiniões pensadas antes de escritas, e o prazer de um bom serão ao sofá a ler. Like.

Uma boa frase

“O centrão político - conservadores, liberais, social-democratas, trabalhistas - anda há mais de vinte anos a liberalizar os movimentos de capitais, a desregulamentar as actividades financeiras, a promover o "comércio livre", menorizando as consequências resdistributivas destas opções. Andaram a promover a ideia de que o mundo é mais bem gerido pela "mão invisível" dos mercados do que pelos poderes democraticamente eleitos. De que é que precisam mais para perceber que este é o resultado da sua globalização: que Marine Le Pen vença as presidenciais francesas?" Ricardo Paes Mamede, Ladrões de Bicicletas

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D