Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pedro Rolo Duarte

09
Fev13

Do “pescador de imagens”

 

Entro num Centro Comercial aqui da minha zona para ir a um míni-supermercado comprar pão. Reparo que o ginásio do Centro, que tinha já uns anos largos de vida, fechou. Tudo fecha. No espaço que era do ginásio há agora uma improvisada Feira de Livros onde se mistura o melhor e o pior. No meio das mesas mais ou menos organizadas encontro uma colecção de livros com fotografias, de grandes mestres de sempre, que o Expresso terá promovido/vendido não sei quando.

Cada caixa – um livro, cinco fotos bem impressas para encadernar, custa 3,99 euros. Compro a caixa dedicada a Robert Doisneau, um dos meus heróis. Fotógrafo relevante do Séxulo XX, que descobri adolescente – claro, por causa da famosa fotografia do beijo – mas depois fui redescobrindo, já adulto, em trabalhos publicados na Life, na Paris Match, nos portfolios da Magnum.

Doisneau chamou-se a ele próprio “Pescador de imagens” – e dei por bem pagos os 3,99 euros quando descobri nesta caixa uma fotografia dele que não conhecia. Tirada em 1946, há mais de 60 anos. Não havia digital nem Photoshop nem computadores nem Internet.

Distingue-a de uma fotografia banal os balanços do preto e branco, o enquadramento, o “momento preciso”. Mas, em boa verdade, na essência, o que faz desta imagem uma grande fotografia é a simplicidade de um jogo quase geométrico entre natureza e intervenção humana na natureza. E entre elas, o miúdo que corre, como todos os miúdos - que quando são miúdos, fazem o quê? Correm.

Esta fotografia enche-me um dia. Deixo-a aqui para encher o vosso.

6 comentários

Comentar post

Blog da semana

Ladrões de Bicicletas. Voltar a um dos mais clássicos blogues colectivos de análise e pensamento social e político e reencontrar excelentes textos, opiniões pensadas antes de escritas, e o prazer de um bom serão ao sofá a ler. Like.

Uma boa frase

“O centrão político - conservadores, liberais, social-democratas, trabalhistas - anda há mais de vinte anos a liberalizar os movimentos de capitais, a desregulamentar as actividades financeiras, a promover o "comércio livre", menorizando as consequências resdistributivas destas opções. Andaram a promover a ideia de que o mundo é mais bem gerido pela "mão invisível" dos mercados do que pelos poderes democraticamente eleitos. De que é que precisam mais para perceber que este é o resultado da sua globalização: que Marine Le Pen vença as presidenciais francesas?" Ricardo Paes Mamede, Ladrões de Bicicletas

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D