Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Pedro Rolo Duarte

24
Fev13

Era uma vez a SMS

(Crónica originalmente publicada na revista Lux Woman. A deste mês já está aí à venda... )

 

Quando os jornais falaram do vigésimo aniversário da SMS, comecei por me lembrar do “bip”. Lembram-se? Era um aparelho (em rigor, “pager”) do tamanho de um maço de cigarros, que recebia mensagens escritas ditadas pelo emissor, para uma operadora, a partir de um telefone fixo. Coisas do género: “estou atrasado 20 minutos, desculpa”. Ditávamos por telefone a uma senhora, que por sua vez digitava e enviava para o “bip” do nosso interlocutor. Ele recebia a mensagem nesse pequeno aparelho, não podia responder, a não ser que fosse a um telefone fixo ditar mensagem de resposta. Poderia até enviar um palavrão, desde que tivesse a educação de soletrar a palavra, sem a dizer. Assim: “estou farto de esperar. Vai à éme é erre dê à”. A solícita operadora repetia as letras, sem nunca dizer a palavra, e enviava...

Parece antigo? É antigo, mas não tem mais de 20 anos. O tempo em que os primeiros telefones moveis pesavam 10 quilos.

Bom, tudo a propósito da forma como comunicávamos, da forma como hoje comunicamos. Mudou radicalmente. Do BIP à SMS, do fax ao mail, da internet fixa ao smartphone. Nada é como era, e as gerações que me rodeiam, entre os 40 e os 50 anos, foram vivendo estas mudanças ao mesmo tempo que as experimentavam. É por isso que os nossos filhos convivem com o Facebook como se fosse o mapa do metropolitano ou um menu de hambúrgueres, enquanto nós passamos jantares a discutir as virtudes, os defeitos, e os problemas que criámos com a plataforma. Eles, os mais novos, não distinguem estas vibrantes e diferentes formas de comunicar - e nós, herdeiros do fax, do telex, do telefone e mesmo da carta e do postal, e ainda dominados por manuais de etiqueta, criamos hierarquias no diálogo. Pior: tornámos ditadoras essas lógicas do que deve e não deve ser, a um ponto tal que podemos inviabilizar soluções em nome de uma estrutura que arrisco dizer ser vagamente fascista...

“No dia dos meus anos ele apenas mandou um SMS?”. Ou: “o tipo não teve coragem para me dizer olhos nos olhos, mandou um mail!”. Ou: “mandei-lhe uma mensagem no Facebook, ela respondeu-me pelo WhatsApp”... Há já um manual de boas maneiras não escrito sobre tudo isto. Mas a isso, a velha sabedoria - ridicularizada num filme português com o diálogo imperdível “Alô, Alô, Dona Rosa!” – tem a pergunta final: e por que não telefonar?

Do que a experiência me diz, falar ainda é a melhor solução: os “lol” e “:-)” e “;-)” ganham vida, as frases curtas são engrossadas com argumentos, e há momentos de discussão que iluminam o resto do cenário, que podia ter apenas luz na saudades ou no amor ou no ódio.

Saúdo os 20 anos da SMS, claro, porque facilitou a vida de todos e acrescentou diálogos rápidos e ricos à paisagem. Sem o Skype, a minha vida de pai seria uma pobreza triste e deprimida. Amo a SMS, no melhor e no pior. Gosto da rapidez e economia do WhatsApp. Mas não deixo de reconhecer que esta nova hierarquia comunicacional trouxe também equívocos, maior distancia, e uma frieza tantas vezes alheia à intenção de quem comunica.

Esta quase na hora de criar um novo manual de etiqueta na comunicação humana. Um código que nos ajude a distinguir o essencial do acessório – logo, também, a separar uma SMS de um insulto barato no Viber, uma conversa divertida no WhatsApp de um “chega para lá” via mail. São demasiadas plataformas para uma mesma ideia – comunicar. E é tempo a menos para gerir tantas manhas e manias.

Não desfazendo, vejo-me grego para interagir em tanta plataforma. Mas vou a todas – quem não vai, lá está, fica pelo caminho...

Blog da semana

Ladrões de Bicicletas. Voltar a um dos mais clássicos blogues colectivos de análise e pensamento social e político e reencontrar excelentes textos, opiniões pensadas antes de escritas, e o prazer de um bom serão ao sofá a ler. Like.

Uma boa frase

“O centrão político - conservadores, liberais, social-democratas, trabalhistas - anda há mais de vinte anos a liberalizar os movimentos de capitais, a desregulamentar as actividades financeiras, a promover o "comércio livre", menorizando as consequências resdistributivas destas opções. Andaram a promover a ideia de que o mundo é mais bem gerido pela "mão invisível" dos mercados do que pelos poderes democraticamente eleitos. De que é que precisam mais para perceber que este é o resultado da sua globalização: que Marine Le Pen vença as presidenciais francesas?" Ricardo Paes Mamede, Ladrões de Bicicletas

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D