Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Pedro Rolo Duarte

22
Mar13

Tendência é verbo

(Crónica originalmente publicada na revista Lux Woman. A deste mês, a festejar 12 anos de vida, já está aí nas bancas...)

 

A história de Paulo Sebastião (zinedepao.blogs.sapo.pt) podia figurar naquelas reportagens que a crise inspira e os jornais adoram: jovem informático de 27 anos tem oportunidade de trabalho em Estocolmo, deixa o seu país, e quando se confronta com a realidade sueca descobre que lhe faz muita falta o pão português. Decide então aprender a fazer pão – mas como é dedicado e rigoroso, vai aprender com os melhores, estuda, e torna-se um apaixonado da arte. De tal forma que todas as sextas-feiras à noite, enquanto os seus colegas vão afogar mágoas nos bares da capital sueca, o Paulo vai gratuitamente para a padaria do seu mentor aprender mais e mais sobre massas, leveduras, farinhas e cozeduras.

Cruzei-me com o Paulo porque também eu quis aprender a fazer pão. Ele passou por Lisboa há umas semanas e organizou umas sessões públicas. Paguei a minha inscrição e logo nesse momento pensei: há paixões que podem ser lucrativas...

Então lá estive uma tarde de volta do pão. Perceber as manhas da farinha quando se junta com a água, a diferença entre isco e fermento, o peso definitivo do tempo e da paciência na arte de conseguir um pão que se orgulhe desse nome. O problema do forno. E depois o momento health club da coisa: amassar, sovar, tender e por fim moldar pão. Não me saí nada mal. Mas é claro que o melhor foi ouvir o Paulo falar de pão como quem fala do amor da sua vida. Provavelmente, é. Mas ele só o descobriu quando lhe sentiu a falta...

Lá está: a crise, a falta, a distância, também são oportunidades. Ou mesmo “a” oportunidade. Estava ali uma dúzia de pessoas a aprender a fazer pão numa tarde de sábado – mas na verdade, estávamos a virar as costas à depressão, a ouvir a história do Paulo (que um dia vai mesmo deixar a informática para se dedicar só ao seu amor maior...), e com ele veio a história de uma amiga que deixou a profissão na cidade para recuperar a mó de pedra para os cereais que vão dar pão, e havia ainda a mercearia fina que nos acolhia e era também um projecto pessoal de paixão. Ou seja, havia inspiração para nos deixar o resto do fim-de-semana a pensar em alternativas - e essa era a melhor causa e o mais forte argumento.

É disso que se trata: alternativa. É a palavra-chave. A tendência. O foco. Descobrir o nicho que ainda não está ocupado, pensar em grande o mais pequeno negócio, usar os recursos que os tempos nos trouxeram ao serviço de ideias que se calhar foram dos nossos avós. Quem diz pão, diz biscoitos e doces e compotas. Quem diz pão, diz crochet e presentes e sacos de pano. Afinal, esta é a primeira crise que vivemos em que, simultaneamente, temos toda a informação, e a rede de contactos, ao alcance de um clique. Além da facilidade em transformar um prazer caseiro num negócio artesanal. Desta vez não temos desculpa para não dar um passo – sendo certo que esse passo tem o travo doce do prazer...

... Acreditem: ver um pão crescer no forno de casa, amassado e tendido e “desenhado” por nós, é comovente. Ver a família e os amigos cortarem-no e barrarem-lhe manteiga e doce, e sentir que resiste fresco mais do que as 12 horas do pão que compramos no supermercado, é voltar à terra onde apanhávamos morangos às escondidas e nos sabia à compota que havia de nascer mais tarde.

Voltar ao começo. Somos nós e as mãos e a imaginação – e o mundo à nossa espera. Eu não sou dos que abraçam árvores – mas acho que tendência é mais verbo do que outra coisa qualquer. É fazer. E ver crescer.

Blog da semana

Ladrões de Bicicletas. Voltar a um dos mais clássicos blogues colectivos de análise e pensamento social e político e reencontrar excelentes textos, opiniões pensadas antes de escritas, e o prazer de um bom serão ao sofá a ler. Like.

Uma boa frase

“O centrão político - conservadores, liberais, social-democratas, trabalhistas - anda há mais de vinte anos a liberalizar os movimentos de capitais, a desregulamentar as actividades financeiras, a promover o "comércio livre", menorizando as consequências resdistributivas destas opções. Andaram a promover a ideia de que o mundo é mais bem gerido pela "mão invisível" dos mercados do que pelos poderes democraticamente eleitos. De que é que precisam mais para perceber que este é o resultado da sua globalização: que Marine Le Pen vença as presidenciais francesas?" Ricardo Paes Mamede, Ladrões de Bicicletas

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D