Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pedro Rolo Duarte

06
Mar08

O notável director

O “Público” festejou ontem o seu 18º aniversário e entregou a direcção, por um dia, ao seu colunista Pacheco Pereira.
O historiador foi corajoso quando aceitou dar o corpo ao manifesto junto da classe profissional que mais critica, e com a qual é implacável (e muita vezes injusto, para não lembrar os momentos em que confunde teoria da conspiração com acaso, convicção ou até, em situações limite, ingenuidade).

Enfim, Pacheco foi à luta.
O jornal que saiu não reflectia, infelizmente, o seu olhar: era basicamente igual ao “Público” de todos os dias. Não conseguiu? Ou percebeu que um jornal é feito por pessoas – e pessoas, que grande maçada, são apenas pessoas?...
O editorial reflecte dificuldades, objectivos cumpridos e por cumprir, mas nada sobre o terrível confronto com a realidade.
Notei, no entanto, que o “director por um dia” deixou escapar um dos defeitos que mais o arreliam nos media: a confusão entre informação e opinião, de que resulta a presunção de um facto inexistente.
Título de notícia na página 12: “Grupo de notáveis liderado por Paula Teixeira da Cruz reflecte esta noite sobre o futuro do PSD”.
Terá o jornal “Público”, sob a direcção do exigente Pacheco Pereira, capacidade para determinar quem é “notável” e quem não é? Que critérios objectivos, jornalísticos, determinam a elevação de alguém ao estatuto de “notável”?


(E agora, tentando ser como Pacheco Pereira é – humildemente, sem sombra da sua sabedoria mas, ainda assim...)


O facto de Pacheco Pereira, ele próprio, fazer parte desse grupo de reflexão, não inquina a notícia no dia em que ele é o director do jornal? Com que intenção o fez, ou com que intenção permitiu que a notícia fosse publicada? Quererá ter influenciado, ou mesmo inspirado, a participação de outros, porventura menos notáveis? Ou podemos admitir uma agenda mediática, quem sabe produzida por uma agência de comunicação, que escolheu justamente o dia de ontem para um encontro que, nestas circunstâncias, seria seguramente noticiado pelo “Público”, dado o seu “director por um dia” estar de serviço? Ao aceitar ser classificado pelo jornal que dirigia como “notável”, o que podemos presumir sobre Pacheco Pereira? Dito de outro modo: se um director de jornal permite que o órgão de informação que dirige o classifique de “notável”, não estaremos aqui no domínio claro do conflito de interesses, ou mesmo de um regresso ao passado obscuro dos tempos em que a imprensa idolatrava o poder, o poder que estava, o poder que era?

E por fim, mas talvez mais relevante e sintomático: por que raio Macário Correia é considerado um notável?


(Pronto, já fiz de Pacheco Pereira, agora vou citá-lo: “A comunicação social quer é festa e, quando acha que não a tem, clama por actores no palco”)
A verdade é só uma: quem nasceu para director, jamais será estagiário...

8 comentários

Comentar post

Blog da semana

Ladrões de Bicicletas. Voltar a um dos mais clássicos blogues colectivos de análise e pensamento social e político e reencontrar excelentes textos, opiniões pensadas antes de escritas, e o prazer de um bom serão ao sofá a ler. Like.

Uma boa frase

“O centrão político - conservadores, liberais, social-democratas, trabalhistas - anda há mais de vinte anos a liberalizar os movimentos de capitais, a desregulamentar as actividades financeiras, a promover o "comércio livre", menorizando as consequências resdistributivas destas opções. Andaram a promover a ideia de que o mundo é mais bem gerido pela "mão invisível" dos mercados do que pelos poderes democraticamente eleitos. De que é que precisam mais para perceber que este é o resultado da sua globalização: que Marine Le Pen vença as presidenciais francesas?" Ricardo Paes Mamede, Ladrões de Bicicletas

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D