Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pedro Rolo Duarte

09
Mar08

A luz de Anabela

Uma aldeia no interior alentejano, um coro feminino em vias de extinção, uma jovem doentiamente obesa – com estes três fios se pode começar e acabar um tapete rico, poderoso, e avassalador.
Que sorte eu tenho, poder dizer que é minha amiga a Anabela Saint-Maurice, autora do extraordinário documentário “A Luz dos Meus Dias”, que a RTP exibiu ontem à noite, por ocasião do Dia Internacional da Mulher.
O que a Anabela encontrou na aldeia de Santo Aleixo, e nas teias sociais, profissionais e pessoais que ali se tecem, foi um riquíssimo retrato da mulher portuguesa, das mulheres portuguesas, e por essa via uma imagem de Portugal (a que o futuro se encarregará de dar o valor histórico que merece). Não é uma boa imagem – mas é aquela que todos reconhecemos quando olhamos com olhos de ver o país onde vivemos.
Despida de moralismos, tomadas de posição ou perspectivas de futuro, a reportagem segue um caminho que Anabela tem trilhado com mestria e rigor: os testemunhos e as imagens falam praticamente por si, a intervenção da jornalista limita-se (limita-se? Não! Expande-se, e bem...) ao trabalho autoral, à escolha, à procura incessante do testemunho, do desabafo espontâneo, da palavra crua e certeira. Confronta-se uma certa ideia de urbanidade e ruralidade na pessoa da Presidente de Junta regressada de uma vida social intensa na Suíça, confronta-se a violência doméstica intrínseca e a outra, que se revolta ou reage (e exclama “comigo, nem pensar; mas havia muito, e calava-se”), confronta-se o passado de ignorância com um presente que não é afinal muito diferente, confronta-se a pobreza extrema do passado e a pobreza disfarçada do presente. Confronta-se um Portugal que se traveste de modernidade no marketing mas continua preso ao passado ancestral das relações hierárquicas de sempre: patrão e empregado, mais velho e mais novo, homem e mulher. O Portugal da escala e da escada, o Portugal que nos custa reconhecer e que tapamos com tapumes a que chamámos auto-estradas, “formação profissional”, “shopping center”, “escolaridade”.
É tudo isso que passa em “A Luz dos Meus Dias”. E a isso se acrescenta a sensibilidade da montagem, a respiração compassada das imagens do Alentejo, a cinematografia de momentos tão simples como o andar de um autocarro ou a mãe que vigia a filha espreitando pela ombreira da porta. E as pinceladas de um passado a preto e branco que acaba por explicar o presente e, lamentavelmente, adivinhar a ausência de futuro. Pode não ser um bom remate, mas é uma grande verdade...
Bom, que orgulho poder dizer que tudo isto, que elogio sinceramente, é obra da Anabela. Razões várias, e todas excelentes, fizeram-nos amigos para sempre, e comovi-me ao longo desta hora rica, poderosa e exemplar. Por ela e pelo seu talento, mas também pelo conteúdo e pelo que isso possa ter acrescentado a quem tenha seguido este momento de serviço público.

6 comentários

Comentar post

Blog da semana

Ladrões de Bicicletas. Voltar a um dos mais clássicos blogues colectivos de análise e pensamento social e político e reencontrar excelentes textos, opiniões pensadas antes de escritas, e o prazer de um bom serão ao sofá a ler. Like.

Uma boa frase

“O centrão político - conservadores, liberais, social-democratas, trabalhistas - anda há mais de vinte anos a liberalizar os movimentos de capitais, a desregulamentar as actividades financeiras, a promover o "comércio livre", menorizando as consequências resdistributivas destas opções. Andaram a promover a ideia de que o mundo é mais bem gerido pela "mão invisível" dos mercados do que pelos poderes democraticamente eleitos. De que é que precisam mais para perceber que este é o resultado da sua globalização: que Marine Le Pen vença as presidenciais francesas?" Ricardo Paes Mamede, Ladrões de Bicicletas

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D