Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pedro Rolo Duarte

20
Out13

Um momento com José Sócrates

A entrevista de José Sócrates a Clara Ferreira Alves é um documento exemplar no que ao jornalismo e à politica dizem respeito. Para o jornalismo, é um trabalho de excepção – independente sem ser neutro, empenhado sem ser militante, claro sem ser simplório. Clara Ferreira Alves no seu melhor.

Do ponto de vista politico, e para lá do conteúdo, revela a hipocrisia da politica no seu melhor: o mesmo homem cuja linguagem era enquadrada pela condição institucional, não deixa de soltar a franga quando se sente livre desses empecilhos “menores”.

Na verdade, ao reconhecer aquela linguagem – onde o calão ganha lugar de destaque -, lembrei-me de um episódio que vivi com José Sócrates e que definiu para todo o sempre o meu olhar sobre aquele homem. Passou-se a meio dos anos 90 (como corrige e bem um leitor, em 1993), dois anos antes de Guterres ganhar as suas primeiras eleições. Quis o destino que uma amiga comum a mim e a Sócrates concorresse a uma das principais camaras do país. Dado que um canal de TV (nova correcção do leitor: terá sido a RTP ou a SIC...) decidira fazer alguns debates entre candidatos, e a nossa amiga era uma das escolhidas, pediu a ambos que a ajudassem a preparar esses debates. Na qualidade de amigos da candidata, fizemo-los com gosto e conhecemo-nos. José Sócrates era deputado. Tratávamo-nos por tu, chegámos a jantar uma vez no velho Petit de Algés. Falávamos de politica mas também da vida de cada um – e depois lá íamos ajudar a nossa amiga a ganhar a sua camara. E ganhou mesmo.

Dois anos depois desses encontros, Guterres vencia as eleições e José Sócrates era nomeado secretário de estado do ambiente. No aniversário da nossa amiga comum, em pleno clima de vitória socialista, vi-me numa festa onde se confundia a comemoração da aniversariante com o regresso do PS ao poder. À medida que “progredia” no espaço onde a festa decorria, fui cumprimentando as pessoas que conhecia. Algumas tinham sido entretanto transformadas em ministros, o próprio António Guterres estava presente já como primeiro-ministro (por empossar, salvo erro). Falei a todos os que conhecia como falava antes da vitória socialista – e assim me falaram todos também, por tu ou por você, com maior ou menor formalidade, conforme o grau de intimidade.

Por fim, encontrei José Sócrates, que ainda uns tempos antes me tratava por tu. Ao ver-me, o (agora) secretário de estado mostrou alguma surpresa e disse:

- Olá, como está? Você, por aqui?

Senti um frio na espinha e a mais terrível sensação de incómodo. O tu tinha dado lugar ao você, e a proximidade substituída pela indiferente distância. Para mim, nesse dia, percebi quem era José Sócrates.

Lembrei-me desses tempos quando li o Expresso e o vi livre e de língua solta. Será que, se o encontrar na rua um dia destes, me volta a tratar por tu?

15 comentários

Comentar post

Pág. 1/2

Blog da semana

Ladrões de Bicicletas. Voltar a um dos mais clássicos blogues colectivos de análise e pensamento social e político e reencontrar excelentes textos, opiniões pensadas antes de escritas, e o prazer de um bom serão ao sofá a ler. Like.

Uma boa frase

“O centrão político - conservadores, liberais, social-democratas, trabalhistas - anda há mais de vinte anos a liberalizar os movimentos de capitais, a desregulamentar as actividades financeiras, a promover o "comércio livre", menorizando as consequências resdistributivas destas opções. Andaram a promover a ideia de que o mundo é mais bem gerido pela "mão invisível" dos mercados do que pelos poderes democraticamente eleitos. De que é que precisam mais para perceber que este é o resultado da sua globalização: que Marine Le Pen vença as presidenciais francesas?" Ricardo Paes Mamede, Ladrões de Bicicletas

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D