Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pedro Rolo Duarte

13
Mar08

Histórias da vida normal (depois da IKEA)

Li numa revista de economia que a Moviflor tinha repensado o seu lugar no universo do comércio de mobiliário e estava modernizada, com design, soluções mais próximas da concorrência, e que a nova loja de Alfragide era um mimo.
Fui lá. Tinha muito mais vendedores do que compradores. Ouvi uma funcionária dizer a um presumível amigo: “Aqui não nos falta trabalho, faltam-nos é clientes”. Perguntei se havia em branco o que vi em castanho, explicaram-me que o que tinham “era o que estava à vista”. Ou seja: sem gosto, sem variedade, sem flexibilidade, e numa exposição montada à pressa onde tudo parecia de qualidade duvidosa.
Avancei sobre o bairro de Alvalade, onde me lembrava de haver muitas lojas que anunciavam o fabrico de roupeiros por medida e moveis de todos os géneros. A maioria dessas lojas fechou depois de abrir a IKEA, resta o eterno Barros & Barros, que me prometeu orçamentos (“ainda para”) esta semana. Noutra casa da Avenida de Roma, um primeiro orçamento “a olho” registou um preço três vezes mais caro do que a IKEA, e com um prazo de entrega acima dos 30 dias...
Ainda me lembrei do Kit Market e passei por lá – mas no seu lugar, nas Olaias, nasceu uma loja de roupa barata, onde comprei uma camisa por 7,90 euros. Não resta nada, e os preços da casa mãe, a Dimensão, onde estive de passagem há menos de um ano, puseram-me a salvo até da clássica visita de prospecção.
Ao final da tarde, aproveitando o treino de futebol do meu filho, dei um pulo ao Colombo, e verifiquei que a palavra “Roupeiro” é tão desagradável para mim quanto para a Área.
Sinto-me fora de moda e fora de tudo.
Mas depois desta ronda de 48 horas (é conveniente ler o post de ontem para se perceber o de hoje...), percebi o sucesso da IKEA em Portugal e o seu plano de expansão, que prevê mais duas lojas na área de Lisboa nos próximos anos, além das aberturas a Norte e a Sul. O preço, a qualidade e a eficácia do processo arrasam qualquer concorrência – que parece oscilar ordeiramente entre a falência e a resistência surda-muda. Não há volta a dar, mesmo quando um qualquer Pedro do mundo se irrita porque ninguém o ajuda a carregar 400 quilos do mais comum e pequeno-burguês contraplacado...

13 comentários

Comentar post

Pág. 1/2

Blog da semana

Love Cuca. O blog da cantora Cuca Roseta. Profissional, bem trabalhado e produzido, um bom exemplo de como se pode chegar ao público em multiplataforma...

Uma boa frase

“Saber escutar críticas é um imperativo na política. E emendar erros antes que se tornem grotescos tiros no pé também. A obstinação, ao confundir-se com casmurrice, nunca é virtude: é sempre defeito." Pedro Correia, Delito de Opinião

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D