Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pedro Rolo Duarte

29
Nov13

A eterna Alemanha

 

 

 

Há qualquer coisa de fascista na ideia de que a criação de um salário minimo nacional na Alemanha vai aumentar o desemprego e a falência de pequenos negócios locais.

De facto, é verdade: cabeleireiros e oficinas onde se paga actualmente 1,5 euros por hora de trabalho vão ver dificultadas as suas vidas. Mas seria razoável que esta novas forma de exploração se perpetuasse? Seria natural – já nem vou ao ponto de dizer justo... - que um país com o custo de vida da Alemanha, com a atitude da Alemanha face ao resto da Europa, e com o seu passado recente (que, por menos que queiramos, sempre nos deixa debaixo de olho), aceitasse sem qualquer espécie de vergonha ou constrangimento esta “democrática” escravatura? 60 euros de ordenado por semana?

Observo a austeridade portuguesa, leio as noticias que chegam da Alemanha, vejo o estado de Espanha, França, Itália. Não consigo deixar de pensar que tudo se desenha em cima de um mapa onde vivem pessoas. Somos todos seres humanos – mas agora, como no começo do século XX e em plena II Guerra Mundial, persiste a lei das pessoas com direito à vida sobre a lei das pessoas sem direito à vida.

Cresci a pensar que viveria numa sociedade onde os seres humanos eram iguais em liberdades, direitos e deveres. A seis meses da minha (excessivamente optimista) metade de vida, vejo que pouco mudou.

O exemplo da Alemanha é apenas o mais simbólico.

Há uma minoria que ainda não aceitou a mais rasa das ideias do mundo democrático: ela é igual à imensa e (quase sempre) silenciosa maioria. Algo me diz que vai aprender à força. Mais dia, menos dia.

3 comentários

Comentar post

Blog da semana

Ladrões de Bicicletas. Voltar a um dos mais clássicos blogues colectivos de análise e pensamento social e político e reencontrar excelentes textos, opiniões pensadas antes de escritas, e o prazer de um bom serão ao sofá a ler. Like.

Uma boa frase

“O centrão político - conservadores, liberais, social-democratas, trabalhistas - anda há mais de vinte anos a liberalizar os movimentos de capitais, a desregulamentar as actividades financeiras, a promover o "comércio livre", menorizando as consequências resdistributivas destas opções. Andaram a promover a ideia de que o mundo é mais bem gerido pela "mão invisível" dos mercados do que pelos poderes democraticamente eleitos. De que é que precisam mais para perceber que este é o resultado da sua globalização: que Marine Le Pen vença as presidenciais francesas?" Ricardo Paes Mamede, Ladrões de Bicicletas

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D