Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pedro Rolo Duarte

02
Dez13

Um homem e a sua revolução

(Texto escrito para assinalar os 50 anos de carreira de Carlos do Carmo. Hoje reencontrei o texto no CCB - e depois de um notável, emocionante e inesquecível espectáculo, trago-o aqui para casa. Parabéns, Carlos!)

Há analogias felizes. Esta é uma delas: Carlos do Carmo está para a música portuguesa como o 25 de Abril de 1974 está para Portugal. Não tomem por exagero o paralelo: antes de Carlos do Carmo, o fado era conservador, reaccionário, fechado e sem saída à vista. Como o país. Depois de Carlos do Carmo, o fado abriu-se ao mundo e a si próprio, ganhou dimensão e profundidade, vida e liberdade. Como Portugal.
Quando começou a cantar, Carlos foi de mansinho inovando, abanando a modorra da canção, em passos sem medo, mas com corrimão por perto. Até à “invenção do dia claro”, como disse o poeta. Eu era miúdo e não me esqueço de ver o meu pai entrar em casa e dizer: “Acabei de ouvir. O Carlos do Carmo tem um disco que vai mudar a face do fado e da musica portuguesa”. Era a sua revolução, chamava-se “Um Homem na Cidade”. O meu pai tinha razão. Carlos rompeu todas as barreiras que separavam o fado do país entretanto acordado para a liberdade. E dando à canção rédea livre, soltando-lhe amarras e iluminando-a, contribuiu para que se tornasse unânime, como a democracia; incontornável, como a liberdade; apaixonante, como a construção de um país novo.
Pelo caminho, houve tempo e espaço para tropeções e hesitações, incompreensões e até ódios – mas também nessa matéria Carlos do Carmo foi o 25 de Abril da música: despertou controvérsia até ganhar estatuto incontestável de instituição nacional.
Ao fim de meio século, a instituição teria tendência a calcificar, adormecer, sentar-se à sombra das conquistas? Teria. Porém, uma vez mais, Carlos do Carmo acompanha Portugal, e onde antes havia revolução, há permanente renovação: quando o querem transformar em dado adquirido, ele ousa fazer-se acompanhar de Maria João Pires, cantar com Rui Veloso ou reinventar-se com Bernardo Sassetti.
As revoluções nunca morrem enquanto o seu espírito as mantiver despertas e sensíveis. Carlos do Carmo sabe tão bem que assim é, que se dá ao luxo de alimentar a sua revolução interior a golpes de génio e criatividade.
Se, ao fim de 50 anos, isto não é o melhor que um cantor pode ter, não sei o que poderá ser. Ou talvez saiba: o próximo disco, a próxima ousadia, a próxima conquista desta revolução permanente.

2 comentários

Comentar post

Blog da semana

Ladrões de Bicicletas. Voltar a um dos mais clássicos blogues colectivos de análise e pensamento social e político e reencontrar excelentes textos, opiniões pensadas antes de escritas, e o prazer de um bom serão ao sofá a ler. Like.

Uma boa frase

“O centrão político - conservadores, liberais, social-democratas, trabalhistas - anda há mais de vinte anos a liberalizar os movimentos de capitais, a desregulamentar as actividades financeiras, a promover o "comércio livre", menorizando as consequências resdistributivas destas opções. Andaram a promover a ideia de que o mundo é mais bem gerido pela "mão invisível" dos mercados do que pelos poderes democraticamente eleitos. De que é que precisam mais para perceber que este é o resultado da sua globalização: que Marine Le Pen vença as presidenciais francesas?" Ricardo Paes Mamede, Ladrões de Bicicletas

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D