Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pedro Rolo Duarte

20
Dez13

O video

Aqui entre nós: o video das advogadas insinuantes, que desencadeou tanta polémica na rede, e fora dela (já chegou à Ordem dos Advogados em queixas formais), e que podem ver aqui, pode ser deontologicamente duvidoso. Lá isso pode.
Mas interessa-me pouco essa apreciação, porque me interessa mais o efeito e os resultados que quer obter. Ora, se bem percebo, aquele video (e o site do escritório, claro) pretende atrair clientes, ganhar massa critica, promover o grupo de advogadas. Foi para ganhar fregueses que o pensaram e produziram…
… Receio, porém, que mesmo sem esta repercussão mediática, um video deste tipo não atraia clientes - pelo contrário, afugenta e assusta quem procura o rigor, a seriedade e “a sabedoria das leis” que a imagem dos advogados nos devolve. Pode ser preconceito, admito - mas não entregaria um caso relevante da minha vida nas mãos de quem se promove desta forma.
Admito que um trolha da Arrentela, aflito com um despedimento, ou um construtor civil de sexta linha, em Mafamude, sem saber como pagar uma divida, possam sentir o apelo pouco racional de contactar as advogadas de saia justa e salto alto a caminhar pelas ruas de Lisboa - mas duvido que haja, entre as milhares de pessoas que precisam, em qualquer momento, de um advogado, quem se sinta motivado a contactar a versão “Sexo & Arrabaldes” da clássica “Sexo e a Cidade”…
Dito isto, espero que o assunto caia e morra por si, sem processos nem Ordem dos Advogados nem coisa alguma. É perder tempo por conta de quem, sem ajuda, já deu o tiro no seu próprio pé. Uma lição para os que querem comunicar e fazer marketing sem consultar quem sabe da poda.
Além disso, faz lembrar a história do escorpião e da rã: nada muda a atitude de quem tem uma marca de identidade na sua natureza.

1 comentário

Comentar post

Blog da semana

Por Falar Noutra Coisa. Humor neste reacordar do blog. Rir é o melhor remédio. Lugar comum indiscutível.

Uma boa frase

“Sucessivos governos ficaram irritados, o actual vai um pouco mais longe, esquecendo que votar é um direito mas nunca uma obrigação. Em países desenvolvidos os cidadãos até votam durante a semana, ao passo que na choldra querem proibir jogos de futebol para obrigar o povo a ir votar." António de Almeida, Aventar

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D