Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pedro Rolo Duarte

27
Dez13

Um logro

O “Público” é o mais caro dos jornais diários portugueses. Talvez seja o melhor, não ponho em causa, mas é o mais caro. À sexta-feira sobe em 50 cêntimos o preço de capa (um aumento de quase 50%), porque reforça a sua oferta com os suplementos Ipsilon e Inimigo Público. Eu gosto de ambos e essa é uma das razões porque compro o Público à sexta-feira.
Pois bem: sem qualquer aviso ao incauto leitor, o “Público” de hoje não inclui o suplemento “Inimigo Público” (que, com o correr dos anos, foi minguando e agora já só tem 4 páginas). Mas cobra na mesma 1,60 euros pela edição impressa. Acho que isto configura qualquer coisa próxima do logro. Intrujice.
No mínimo, um aviso na primeira página (como aliás deveria fazer sempre que um colunista regular não escreve). Nos dias que correm, muita gente compra ainda jornais apenas por causa dos colunistas, das matérias de investigação e reportagem, da fotografia (quando a acarinham, coisa rarissima…) e dos suplementos. Porque a verdade é esta: as notícias, oiço-as na rádio, vejo-as na net...
Respeitar o leitor que ainda procura jornais em papel passa pelo cuidado de o informar sobre as alterações à normal edição de cada dia. Em tempos de austeridade, escolho com rigor a imprensa que compro - e talvez hoje tivesse dispensado o Público se soubesse que não trazia o “Inimigo” e que o Ipsilon está reduzido a 32 páginas. Em resumo: sinto-me enganado. Na semana que vem verificarei o miolo da edição antes de me chegar à frente.

(... e assim vai a imprensa, já doente, caminhando paulatinamente para o abismo... Como se não houvesse amanhã. Cada vez há menos.)

2 comentários

Comentar post

Blog da semana

Ladrões de Bicicletas. Voltar a um dos mais clássicos blogues colectivos de análise e pensamento social e político e reencontrar excelentes textos, opiniões pensadas antes de escritas, e o prazer de um bom serão ao sofá a ler. Like.

Uma boa frase

“O centrão político - conservadores, liberais, social-democratas, trabalhistas - anda há mais de vinte anos a liberalizar os movimentos de capitais, a desregulamentar as actividades financeiras, a promover o "comércio livre", menorizando as consequências resdistributivas destas opções. Andaram a promover a ideia de que o mundo é mais bem gerido pela "mão invisível" dos mercados do que pelos poderes democraticamente eleitos. De que é que precisam mais para perceber que este é o resultado da sua globalização: que Marine Le Pen vença as presidenciais francesas?" Ricardo Paes Mamede, Ladrões de Bicicletas

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D