Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pedro Rolo Duarte

16
Nov07

Ninguém pára a ASAE?

Lia no Público a história da Misericórdia de Faro, que trocou nos seus refeitórios o peixe fresco da Ria Formosa por um empacotado congelado fornecido por uma multinacional de catering. “Com medo da ASAE”, explica-se na reportagem. E lembrei-me de R, herdeiro de uma das mais antigas casas de Lisboa. Numa reunião de trabalho, R. percebeu que eu conhecera as cozinhas antigas da deslumbrante fábrica da Confeitaria Nacional, onde se produz o afamado bolo-rei (filmei-as para um programa de Natal, na RTP, em 1987...). E contou-me tudo o que a ASAE o obrigou a fazer para cumprir as “normas europeias”, dando cabo, de passagem, de uma construção histórica (chão, bancadas, tudo refeito em alumínios e materiais laváveis e não porosos...) e dos seus mais marcantes objectos de confecção artesanal. Dá raiva e ranger de dentes.
E dá que pensar: a ASAE – cujo nome, por si só, tem qualquer coisa de oriental entre Haraquiri e Kung-fu – era uma bela ideia para pôr alguma ordem na desordem que qualquer ser humano dotado de olfacto e olhar notava em restaurantes, mercearias, supermercados. Imaginei a ASAE como o órgão que ía acabar com as unhas pretas dos empregados de café, as baratas a passear pelas batatas nas cervejarias, as casas de banho imundas e mal-cheirosas, e outros atentados ao nosso sossego e higiene na hotelaria e similares. Não mais do que o essencial para garantir a saúde pública – ou seja, o chamado asseio.
Era uma ideia com um passado prometedor, como quase tudo em Portugal. Mas essa boa ideia foi rapidamente transformada numa polícia de costumes fundamentalista, disposta a fazer tábua-rasa da tradição, do bom senso, do artesanato e das poucas coisas que ainda nos distinguem dos outros países.
Quando a ASAE deixa de ser uma instituição reguladora para se tornar um papão que intimida ao ponto de um refeitório trocar o peixe fresco por congelado antes mesmo da “policia” o inspeccionar, seria altura de alguém pôr ordem no excesso de ordem que a ASAE quer impor ao país. Não há poder que trave aquele supra poder sem rei nem roque?
Eu até ando a pensar em abrir um restaurante, mas com esta ASAE no activo é melhor uma loja de ferragens...

59 comentários

Comentar post

Pág. 1/5

Blog da semana

Ladrões de Bicicletas. Voltar a um dos mais clássicos blogues colectivos de análise e pensamento social e político e reencontrar excelentes textos, opiniões pensadas antes de escritas, e o prazer de um bom serão ao sofá a ler. Like.

Uma boa frase

“O centrão político - conservadores, liberais, social-democratas, trabalhistas - anda há mais de vinte anos a liberalizar os movimentos de capitais, a desregulamentar as actividades financeiras, a promover o "comércio livre", menorizando as consequências resdistributivas destas opções. Andaram a promover a ideia de que o mundo é mais bem gerido pela "mão invisível" dos mercados do que pelos poderes democraticamente eleitos. De que é que precisam mais para perceber que este é o resultado da sua globalização: que Marine Le Pen vença as presidenciais francesas?" Ricardo Paes Mamede, Ladrões de Bicicletas

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D