Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pedro Rolo Duarte

10
Abr08

Acordar, mas sem acordo

Não estou de acordo com o acordo porque não quero um dia acordar acordado.
Quero continuar com letras a mais, porque gosto de ter letras de sobra e não me faz qualquer confusão que os brasileiros, no seu clima tropical, queiram dizer palavras com pouca roupa, perdão, com poucas letras. Mas receio constipações e pneumonias nos factos e nas acções despidas daquele “c” – porque aqui “faz frio” no Inverno e raramente “está esfriando”. Deixemos ao Brasil o domínio do despir, e mantenhamos a roupa à mão deste lado do mar.
Gosto de ler “brasileiro”, gosto daquela riqueza imagética, gosto de ler a Mónica e perceber que o português dela anda em “sacanagem” descarada com o de lá. Um prazer ler a “Veja” e sentir aquela língua. Na maneira, no modo, e obviamente na ortografia que nos obriga a modular a leitura. Concordo absolutamente com o Pedro Mexia:
“Aquilo que francamente me desagrada é o critério fonético. Se isto é um acordo ortográfico, que apenas modifica a língua escrita, não me parece sensato que a ortografia siga sempre o critério do português falado. (...) A língua falada é a que utilizamos todos os dias, (...) Mas a língua, enquanto legado, vive nos textos, e acima de tudo na grande literatura. (...) É o português escrito que dá identidade à língua portuguesa. Alterar o modo como escrevemos a partir do modo como falamos é uma ideia muito discutível”.
A questão cultural diz-me pouco, porque muito mais me diz a riqueza que a diferença encerra do que o pobreza adivinhada pela uniformização. Lá está, roupa outra vez: uniforme, não. Ou em português de Lisboa, farda nem pensar.
Dito isto, a vida ensinou-me que depois dos 40 podem fazer tudo, que eu já faço pouco disso: continuo a pensar em contos e não em euros. Continuarei a escrever factos e a vestir fatos. Aliás, eu escrevo “ía”, do verbo ir, e parece que já não é assim.
Eu não acordo com o acordo – eu acordo com quem quero e gosto. Faço por isso – é um facto com “c”.

12 comentários

Comentar post

Blog da semana

(Un) Naive. Blog de uma jovem de 21 anos que, nos intervalos do curso de Relações internacionais, viaja, faz voluntariado por todo o mundo, e inspira entre textos e fotografias. É o blog da Rafaela.

Uma boa frase

“O Outono é feito de conforto e de amparo, como um colo apetecido onde se deita a cabeça para apaziguar o corpo e a alma, ou o calor de um abraço do qual não queremos soltar-nos." Isabel Mouzinho, Isto e Aquilo

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D