Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pedro Rolo Duarte

12
Abr08

O século, o milénio

Das pessoas que neste instante estão a ler estas linhas, quantas terão a idade do século XX? Uma, duas, cinco? Não mais, estou certo disso. E que dizer das pessoas que agora elegem figuras do século, do milénio? Que idade terão? Que formação? Que distância e conhecimentos em relação à História? A resposta é sempre a mesma: ninguém sabe. Mas são poucas. Ou nenhuma.
O suplemento dominical do «New York Times» quis produzir uma «cápsula do século» para ser aberta no ano 3000. Independentemente do facto de ninguém saber se, daqui a mil anos, restará algo ou alguém desta civilização, a revista avançou para a ideia. Às tantas, esbarrou com um muro imprevisível: como conceber uma cápsula que durasse mais de 100 anos? Foi a primeira de todas as dúvidas. Reuniram-se especialistas, fizeram-se debates e mesas redondas. Entre outras conclusões curiosas, todos foram unânimes em preferir o «papel» aos «formatos digitais» – questões de segurança, vá lá. Mas o mais embaraçoso de tudo, lendo os especialistas, foi a incapacidade absoluta de prever sobre o que é e não é, é e será, é mas não será, relevante no futuro. Ainda que se fale de trivialidades, como garrafas de Coca-Cola ou o preservativos.

Perante a eternidade da «cápsula», os sábios estremeceram e deixaram ao cuidado dos leitores a escolha. Nós, por cá, não temos dúvidas: com a mesma ligeireza com que escrevo esta crónica, escolhem-se figuras para um século que não vivemos na íntegra, para um milénio sobre o qual não podemos ter dados adquiridos. Fazem-se listas como se se tratasse de um «top de vendas de discos». Atiram-se nomes para a praça como se estivéssemos num desfile de moda.

É impressionante a capacidade de decisão actual: os factos «que contam», os nomes «relevantes», as descobertas «decisivas», desfilam pelas revistas, pelos jornais, pelas televisões, pelos livros, com a negligência típica da maior das ignorâncias. Como se nós, pobres seres que vivemos o tempo que vivemos, tivéssemos a capacidade de nos distanciarmos e, dedo apontado, indicar com clareza e lucidez os nomes, as coisas, os factos. Não vivemos sequer um século mas falamos dele como se fossem favas contadas.

Eu sei que o mundo vive desses chamados «ícones» que os media criam e o povo cultiva. Também sei que é inevitável cair na tentação de «julgar» um tempo que termina. Mas gostaria, ainda assim, de ver alguma contenção na forma como se faz o balanço do tempo. O risco de esquecer quem não merece ser esquecido é enorme – mas pior é pensar na certeza de serem lembrados alguns dos que a História, no futuro, apagará.
 
Ao sábado, memórias. Texto editado a partir do original  publicado na “Visão” no final de 1999

1 comentário

Comentar post

Blog da semana

Ladrões de Bicicletas. Voltar a um dos mais clássicos blogues colectivos de análise e pensamento social e político e reencontrar excelentes textos, opiniões pensadas antes de escritas, e o prazer de um bom serão ao sofá a ler. Like.

Uma boa frase

“O centrão político - conservadores, liberais, social-democratas, trabalhistas - anda há mais de vinte anos a liberalizar os movimentos de capitais, a desregulamentar as actividades financeiras, a promover o "comércio livre", menorizando as consequências resdistributivas destas opções. Andaram a promover a ideia de que o mundo é mais bem gerido pela "mão invisível" dos mercados do que pelos poderes democraticamente eleitos. De que é que precisam mais para perceber que este é o resultado da sua globalização: que Marine Le Pen vença as presidenciais francesas?" Ricardo Paes Mamede, Ladrões de Bicicletas

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D