Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pedro Rolo Duarte

23
Abr08

O que falta

(O principio é esse mesmo, não responder aos comentários, deixar fluir opiniões em cima da minha opinião. Mas às vezes apetece, por razões neste caso muito óbvias...)


“De hernani a 21 de Abril de 2008 às 18:46
boa tarde pedro , ou, boa tarde sr pedro , só gostava de saber a sua opinião sobre a monocle '...”


Hernâni: a Monocle era o modelo de revista que eu sonhava um dia fazer em Portugal – tal como a Vanity Fair, numa fórmula adaptada, recriada e criativa.
A Monocle, fundada e dirigida por Tyler Brulé - que criou a Wallpaper, para que conste... – é a mais criativa e inteligente revista dos tempos que correm. Ela responde à curiosidade ínfima e irrelevante do ser humano – mas também à mais profunda e consistente convocatória sobre a vida no nosso Planeta. Ela é, a um tempo, ligeiramente frívola num fait-divers , e profunda quando percebemos que esse fait-divers pode revelar uma tendência promissora. É bipolar, como a vida se descobre neste século: permanentemente entre a paz e a guerra, entre o sim e o não, entre a dúvida e o crédito.
A Monocle «respira» jornalismo: pensa, descobre, pensa outra vez, investiga, pensa outra vez, reporta, pensa mais uma vez, explica e perspectiva – e no fim, ainda dá ideias. A reflexão sistemática que faz sobre a qualidade da vida urbana é notável, e vai do ranking sobre as melhores cidades para viver (concebido de uma forma inteligente e reflectida, longe daqueles estudos feitos a régua e esquadro nas empresas de sondagens), até à reflexão sobre as «marcas» que os países podem constituir (longe também das balelas dos «especialistas» do costume). Não falando da forma original como aborda o mundo económico e empresarial, a moda, a cultura. É a revista (que conheço...) que melhor trata os factos – e aqui tratar significa pensar, traduzir, relativizar, relacionar. Ou seja: acrescentar-lhes algo. Jornalismo, portanto.
Dito isto, perguntaria o Hernâni: por que raio Portugal não tem uma Monocle, ou sequer uma Vanity Fair ?
Respondo: não tem porque os consumidores não querem, porque os empresários não acreditam, e porque os anunciantes não confiam. Esta cadeia de «nãos», que junta os consumidores, os empresários e os anunciantes, será quebrada quando uma das partes abrir a janela. Os consumidores abrem a janela todos os dias, mas só compram se houver um DVD oferecido ou um saco ou um chapéu – ora, como o mercado os alimenta, está criado o imparável ciclo vicioso. Está por saber se o consumidor tem este comportamento porque vive viciado na “borla”, ou se a isso se junta, na verdade, o facto de não apreciar suficientemente os produtos que estão nas bancas...
Restam então os outros dois elos da cadeia. Quando os anunciantes e os empresários forem ousados, inteligentes e criativos, talvez o mercado possa mudar. Mas, lá está o mas... Se este negócio não é mais do que uma fábrica de salsichas a que se junta uma cenoura oferecida sob a forma de DVD, é difícil inverter o ciclo.
Estamos no mundo da pescadinha de rabo na boca: empresários e anunciantes não arriscam, porque os consumidores se comportam de forma padronizada. Como os consumidores não têm oferta para lá do óbvio, nunca saberemos como reagiriam a novos conceitos e produtos.
Chegámos a um ponto em que a solução passa pela loucura.
Loucura é isto: quando alguém se chegar à frente, ousar fazer, ousar arriscar, ousar romper o ciclo criado – e quando esse alguém vencer, atrás dele virá um novo tempo de criatividade e esperança. Foi assim, em 1988, com “O Independente” (num tempo em que fazer um novo jornal era “suicida”, está escrito...), e atrás dele nasceram muitos outros projectos não-formatados desses anos, da K à Icon , do à Fortuna. Falta ousadia, convicção e coragem na imprensa. E falta acreditar.
Como a imprensa é sempre o reflexo do país onde está, é fácil perceber em que patamar está o país...

5 comentários

Comentar post

Blog da semana

Ladrões de Bicicletas. Voltar a um dos mais clássicos blogues colectivos de análise e pensamento social e político e reencontrar excelentes textos, opiniões pensadas antes de escritas, e o prazer de um bom serão ao sofá a ler. Like.

Uma boa frase

“O centrão político - conservadores, liberais, social-democratas, trabalhistas - anda há mais de vinte anos a liberalizar os movimentos de capitais, a desregulamentar as actividades financeiras, a promover o "comércio livre", menorizando as consequências resdistributivas destas opções. Andaram a promover a ideia de que o mundo é mais bem gerido pela "mão invisível" dos mercados do que pelos poderes democraticamente eleitos. De que é que precisam mais para perceber que este é o resultado da sua globalização: que Marine Le Pen vença as presidenciais francesas?" Ricardo Paes Mamede, Ladrões de Bicicletas

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D