Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pedro Rolo Duarte

18
Jun08

A ASAE, capitulo 1458

Há uns anos, e depois do clássico domingo anual em que me esqueci (obrigado pela correcção) de que já é Junho, o Benfica joga às 19:45, e estão 32 graus, e fiquei duas horas entalado numa fila para sair de uma praia, aprovei por unanimidade uma nova lei: entre o dia 9 de Junho e o dia 30 de Agosto, praias do lado esquerdo da Costa da Caparica, nem pensar, qualquer que seja o dia da semana. Não se arrisca, ponto. Contei isto numa crónica de jornal e recebi uma simpática carta de um leitor que me dava instruções rigorosas sobre como chegar e sair sem mácula de algumas praias da Costa. As do lado direito, isto é, as de S. João. Não eram apenas as praias que me estava a revelar o leitor – eu sabia que existiam, nunca me tinha dado ao trabalho de as conhecer -, mas especialmente o percurso alternativo de regresso a Lisboa.

Desde aí, a minha qualidade de vida no Verão aumentou brutalmente. Dou-me ao luxo de “dar um saltinho” à praia a meio da tarde, vou e volto quando quero, e nunca mais sofri o horror do “regresso da Costa”.

Entre outras mordomias e prazeres – bares excelentes, bom ambiente, areia limpa – aquele conjunto distingue-se por ter um acesso dificultado. Ou se paga o estacionamento, dado o terreno de acesso às praias ser privado, ou então é preciso caminhar a pé um bom bocado até chegar ao areal. Isso também ajuda a manter alguma contenção na ocupação do espaço vital.

Portanto, assunto arrumado: no Verão, quando me falta a paciência para voos mais longos até Alfarim ou mesmo a Comporta, as praias de S. João constituem o meu poiso habitual. Este ano, quando o sol finalmente deu sinal de vida, lá fui – mas notei que algo havia mudado. No parque de estacionamento, em vez de um preço fixo, pago à entrada, encontrei o esquema da senha que se tira e da tarifa ao minuto. Estranhei, primeiro. Depois sofri: na hora de sair da praia, estive 20 minutos para pagar numa fila em tudo igual àquelas que me levaram a abandonar as praias do lado esquerdo da Costa. Pensei: estes tipos conseguiram o supremo crime de destruir uma das maiores vantagem que tinham – justamente o acesso friendly e rápido. Estendi teorias sobre a capacidade dos portugueses de darem tiros nos pés, comentei em todo o lado o absurdo, admiti que a mudança tinha um fito evidentemente financeiro. Ganhar mais, só podia.

Venho agora a saber, depois de muitos fins de dia de martírio para os frequentadores daquelas praias, em filas intermináveis para pagar valores irrisórios, que a mudança no sistema de cobrança do parque das praias de S. João se deve a uma visitinha... da ASAE!

Assim, para cumprir a lei e justamente pagar 2,90 euros ao invés de 3 euros, ou 3,25 euros, em vez dos injustíssimos 3 euros, o veraneante aguenta estoicamente e sem reclamar uns 20 ou 30 minutos na fila. E assim se explica porque raio nós - eu, e outros eu’s que conheço -, deixámos de ver em S. João a boa alternativa de Verão em Lisboa. Mais uma vez obrigado, sr. Nunes.

13 comentários

Comentar post

Pág. 1/2

Blog da semana

Ladrões de Bicicletas. Voltar a um dos mais clássicos blogues colectivos de análise e pensamento social e político e reencontrar excelentes textos, opiniões pensadas antes de escritas, e o prazer de um bom serão ao sofá a ler. Like.

Uma boa frase

“O centrão político - conservadores, liberais, social-democratas, trabalhistas - anda há mais de vinte anos a liberalizar os movimentos de capitais, a desregulamentar as actividades financeiras, a promover o "comércio livre", menorizando as consequências resdistributivas destas opções. Andaram a promover a ideia de que o mundo é mais bem gerido pela "mão invisível" dos mercados do que pelos poderes democraticamente eleitos. De que é que precisam mais para perceber que este é o resultado da sua globalização: que Marine Le Pen vença as presidenciais francesas?" Ricardo Paes Mamede, Ladrões de Bicicletas

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D