Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pedro Rolo Duarte

28
Jun08

E se elas não quiserem?

Ao fim-de-semana, reedições. Nos dias do Congresso Feminista, recupero uma crónica que publiquei na revista Visão em Janeiro de 1999. O tema era outro – ou é sempre o mesmo? Vejamos:

 

Pergunto se já alguém colocou a questão mais básica de todas: e se as mulheres não tiverem o mais pequeno interesse pela política? Ou, de outra forma: e se, para as mulheres, o poder não passar pela política pura, mas por outras áreas, outros interesses?

Estas perguntas não me saem da cabeça desde que começou a discussão sobre a presumível obrigatoriedade de ter uma percentagem razoável de mulheres no Parlamento e, em geral, nos lugares de decisão política. Vi na televisão um pequeno debate entre Maria José Nogueira Pinto e Edite Estrela – duas excelentes políticas com gosto pela actividade – e estranhei que não houvesse referência a esta possibilidade.

Transfiro a questão para a profissão que desenvolvo, o jornalismo. Há 50 anos, não havia mulheres jornalistas. Há 30 anos, começaram a aparecer (oficialmente) as «pioneiras», lutadoras contra a corrente, «armadilhando» anúncios para conseguirem os seus lugares, dando nomes masculinos e obrigando os contratadores a confrontarem-se com candidatos que... eram mulheres. Falo com conhecimento de causa: apesar de haver «marcos» que nunca foram postos em causa, a verdade é que a minha mãe foi a primeira mulher, há 40 anos, a praticar jornalismo numa publicação desportiva (escrevia sobre hóquei no «Mundo Desportivo»).

Quando comecei, há 16 anos, havia já muitas jornalistas, mas alimentava-se ainda a ideia de que era uma profissão para homens. Grau de risco, necessidade de uma flexibilidade horária incompatível, por exemplo, com a maternidade e a educação dos filhos, e algum machismo típico de um país (ainda mais) subdesenvolvido, ajudavam a explicar este «princípio». Às mulheres estava reservado o «cantinho feminino» dos jornais, as secções de cultura e espectáculos, e as produções consideradas menores (roteiros, guias, suplementos juvenis, etc.). Num caso ou noutro, havia trincheiras abertas na política, na sociedade, em cargos de chefia (Lourdes Feio e Edite Soeiro, hoje ambas na Visão, fazem parte dessas excepções). Nunca houve leis que obrigassem a imprensa a «gerir» percentagens masculinas e femininas.

Com o tempo, e naturalmente, por gosto e vontade, por dedicação e com talento, as mulheres começaram a encher as redacções dos jornais, das rádio, das televisões. Sem leis. Esta profissão tornou-se atraente para todos, por igual, e ninguém foi discriminado. Pelo contrário: na esmagadora maioria dos casos, foi reconhecida às mulheres uma sensibilidade e um rigor muito próprios, uma dedicação que a maternidade nunca abalou, e uma forma de escrita e de abordagem dos temas que era, senão inovadora, pelo menos alternativa. Nomes que vão de Clara Pinto Correia a Maria João Avillez, de Clara Ferreira Alves a Maria Elisa, para citar só alguns, tornaram-se sinónimos de qualidade, rigor, criatividade.

Hoje, mesmo que a estatística possa afirmar o contrário (não considera estagiários, contratados sem carteira, etc.), as mulheres constituem, senão a maioria, seguramente 50% das redacções. São directoras, chefes, repórteres, cronistas, jornalistas. Cobrem guerras, conflitos laborais, política, tudo. Não precisaram de «conquistar» terreno – bastou-lhes querer.

O exemplo do jornalismo pode aplicar-se à política. Ambas as actividades podem constituir poder. Ambas tiveram fama de «pertencer» ao universo masculino. Uma, libertou-se dessa imagem com naturalidade, sem leis nem percentagens. A outra, vive enrolada num preconceito descabido que parece querer reavivar uma fictícia «luta de classes».

Se calhar, e volto ao começo, a questão é mais simples do que a polémica quer fazer crer. Se calhar, elas não querem. Se calhar, elas preferem outros poderes – nas empresas, no jornalismo, na gestão, no comércio. Se calhar, elas têm razão.

7 comentários

Comentar post

Blog da semana

Ladrões de Bicicletas. Voltar a um dos mais clássicos blogues colectivos de análise e pensamento social e político e reencontrar excelentes textos, opiniões pensadas antes de escritas, e o prazer de um bom serão ao sofá a ler. Like.

Uma boa frase

“O centrão político - conservadores, liberais, social-democratas, trabalhistas - anda há mais de vinte anos a liberalizar os movimentos de capitais, a desregulamentar as actividades financeiras, a promover o "comércio livre", menorizando as consequências resdistributivas destas opções. Andaram a promover a ideia de que o mundo é mais bem gerido pela "mão invisível" dos mercados do que pelos poderes democraticamente eleitos. De que é que precisam mais para perceber que este é o resultado da sua globalização: que Marine Le Pen vença as presidenciais francesas?" Ricardo Paes Mamede, Ladrões de Bicicletas

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D