Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pedro Rolo Duarte

25
Jul08

Impunidades (parte II)

Não li o livro do ex-inspector da PJ Gonçalo Amaral. Bastou-me tudo o que contou nos jornais e nas televisões entre ontem e hoje. E encontro nesta vaga de fundo uma boa e uma má notícia.

A boa notícia é que Gonçalo Amaral se reformou. A má notícia é que ele pode constituir, ainda assim, o protótipo do inspector da Policia Judiciária.

A admitir esta hipótese, francamente plausível, o pior que nos pode suceder na vida é estar no sítio errado na hora errada. Porque, nessas circunstâncias, um qualquer inspector de PJ pode ter “convicções profundas”, acreditar em teses desmentidas por cientistas, juntar dados de um puzzle inexistente, e repentinamente sermos arguidos de um processo que nem sabíamos existir. Do que li e vi, estamos perante mais um julgamento popular sob a forma de livro assinado por autoridade aparentemente competente.

Convém notar: não é autoridade por ter convicções e opinar, não é competente porque não prova nada do que diz, e não julga porque obviamente não pode. Nem sabe...

... Quem sabe, isso sim, se a língua portuguesa não ganhou hoje um novo verbo – o Muratear. Ou seja, tornar arguido um qualquer Murat que se atravessou no caminho de um investigador da PJ.

Confesso: depois do espectáculo do dia nos jornais e nas televisões, olho com outros olhos o poder real de um polícia. E estou assustado.

 

PS – Também noto, à margem do processo, a incompetência editorial da coisa: quando se abre ao meio a galinha dos ovos de ouro, a galinha morre e deixa de dar ovos... Parece ter sido essa a estratégia de marketing para o livro: já tudo foi contado, não resta nada para ler.

7 comentários

Comentar post

Blog da semana

Ladrões de Bicicletas. Voltar a um dos mais clássicos blogues colectivos de análise e pensamento social e político e reencontrar excelentes textos, opiniões pensadas antes de escritas, e o prazer de um bom serão ao sofá a ler. Like.

Uma boa frase

“O centrão político - conservadores, liberais, social-democratas, trabalhistas - anda há mais de vinte anos a liberalizar os movimentos de capitais, a desregulamentar as actividades financeiras, a promover o "comércio livre", menorizando as consequências resdistributivas destas opções. Andaram a promover a ideia de que o mundo é mais bem gerido pela "mão invisível" dos mercados do que pelos poderes democraticamente eleitos. De que é que precisam mais para perceber que este é o resultado da sua globalização: que Marine Le Pen vença as presidenciais francesas?" Ricardo Paes Mamede, Ladrões de Bicicletas

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D