Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pedro Rolo Duarte

08
Set08

Duas ou três notas (sobre Portugal, claro)

Primeira. Segundo noticias que leio, invariavelmente, na imprensa, todos os jornais vendem mais, embora na verdade vendam menos. E todos vendem mais quando oferecem coisas que os fazem valer menos. Mas ninguém quer saber disso.

 

Segunda. Há 14 anos que, por razões pessoais, “faço” com alguma regularidade a estrada mais feia de Portugal: a que liga a A-2 a Sesimbra. É a estrada que passa em Fernão Ferro, esse monumento ao nosso terceiro-mundismo (ou será terceiro-mundíssimo?), onde as piscinas estão viradas para o céu mas nunca viram água, há a maior concentração nacional de animais em louça e barbecues descartáveis, e os carros que circulam à minha frente são sempre aqueles que vão virar à esquerda, onde menos se espera, sem fazer pisca.

Bom, nessa estrada está há 14 anos uma placa, algures entre Fernão Ferro e a Cotovia, que diz “Atenção: bermas em mau estado”. Pensei, no começo, que era uma provisória, um aviso. Depois, com o passar dos anos, passei a imaginar que seria uma bandeira (esquecida…) de autarca em tempo de campanha eleitoral, ou uma homenagem transitória a alguma vítima de acidente no local. Passados 14 anos, verifico que a placa é definitiva. Foi uma “atenção” para sempre. Algo como: “se esperam que a autarquia ou quem quer que seja tome conta das bermas, para onde vocês têm de se atirar quando um maluco qualquer decide virar à esquerda, tirem o cavalo da chuva: estas bermas SÃO em mau estado”. Não estão, são. A diferença entre o estar e o ser é o que nos separa dos países civilizados - nós somos mesmo assim. E isso também explica por que motivo as placas de estrada dispensam os verbos: é mais fácil manter na dúvida, durante pelo menos 14 anos, incautos como eu.

 

Terceira. Ando há semanas a ler artigos na imprensa, e reportagens na televisão, sobre o regresso do concurso “Roda da Sorte”, agora na SIC. Fala-se de Nuno Santos, que apostou no programa, fala-se de Herman José, que o lançou e popularizou, fala-se de Ruth Rita e até da voz off de Cândido Mota. Ninguém – quando digo ninguém, é ninguém mesmo… - se lembrou de dizer que foi o produtor Carlos Cruz quem descobriu esse formato, o trouxe para Portugal, convidou Herman José para apresentar, e produziu o programa. Há esquecimentos que dizem mais sobre quem esquece do que sobre quem é esquecido.

21 comentários

Comentar post

Pág. 1/2

Blog da semana

Retrovisor. Quem lia A.B.Kotter no velho Semanário habituou-se a gostar de ler José Cutileiro. Neste blog, a escrita é outra, mas continua a ser uma delícia. Pena que o "Expresso", que o tem como colaborador, não lhe dê mais espaço...

Uma boa frase

“Este ano será de vida nova, não por mérito ou culpa própria: nós por cá todos bem. Mas Trump, Brexit, Putin, Estado Islâmico, tudo cada vez mais desigual e cada vez mais perto de tudo, vão meter-nos as novidades pela porta dentro, boas e más. Sobretudo más." José Cutileiro, Retrovisor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D