Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pedro Rolo Duarte

05
Nov08

Ganhou

E o meu texto é o mesmo, devidamente editado apenas para ser actual:

Se eu fosse cidadão norte-americano, teria votado também Obama. Não porque o espectáculo montado pelo candidato me convença, ou porque acredite sinceramente que vai resolver os problemas económicos, sociais e políticos dos Estados Unidos – e com isso contribuir para o equilíbrio da economia e do bem-estar globais -, ou sequer porque veja nele algo de verdadeiramente inovador. Mas apenas porque representa um plano de corte na sequência do filme. E fazem falta estes planos para que não percamos de vez o interesse na fita e algum crédito no futuro.

Talvez por isso, fico sempre espantado com os entusiasmos infantis que este tipo de eleições provocam – como se estivéssemos perante um “sim ou sopas” entre continuidade e rotura. Não estamos. Obama é muito menos “alternativo” do que a esquerda europeia pretende que seja – e será certamente uma desilusão para a esquerda hippie-chique que delira com a figura. Obama, antes de ser pessoa, é um quadro electrónico, encenado, teatralizado, construído pelos democratas para vencer muitos anos de poder republicano. Só isso – e jamais “tudo isso”. Ninguém em rigor sabe onde começam e acabam a convicção e as ideias – sendo certo que todos podemos ver onde começa e acaba o marketing eleitoral.

O que a televisão me mostra é um aquário onde nadam de um lado para o outro todas as técnicas da comunicação, todos os artifícios do marketing político, e um sem-número de recursos que o maravilhoso mundo da tecnologia coloca ao dispor dos partidos.

Quando acordarmos deste fogo-de-artifício, o que restará com Obama (e ainda bem que foi com ele) será a mesmíssima América que se agiganta aos nossos olhos com um ar perdido no “subprime” e noutros “primes” que nos escapam de momento. Em vez de balas de chumbo, balas de borracha. Em vez de braço de ferro, poker de dados. Em vez de liberalismo selvagem, liberalismo próximo de.

Temo que não tarde a desilusão. Porque nos EUA, como aqui, cada vez são mais rápidos os ciclos que nos levam do entusiasmo ao desencanto. Da esperança à derrocada. É esta convicção que me leva a pensar nisto: mesmo que todo o ocidente tivesse direito de voto nestes momentos norte-americanos, nem isso mudava o implacável ciclo da miséria humana. Mais do mesmo, ainda que desta vez possa demorar um pouco mais de tempo até que o mesmo seja mais dele próprio.

2 comentários

Comentar post

Blog da semana

Retrovisor. Quem lia A.B.Kotter no velho Semanário habituou-se a gostar de ler José Cutileiro. Neste blog, a escrita é outra, mas continua a ser uma delícia. Pena que o "Expresso", que o tem como colaborador, não lhe dê mais espaço...

Uma boa frase

“Este ano será de vida nova, não por mérito ou culpa própria: nós por cá todos bem. Mas Trump, Brexit, Putin, Estado Islâmico, tudo cada vez mais desigual e cada vez mais perto de tudo, vão meter-nos as novidades pela porta dentro, boas e más. Sobretudo más." José Cutileiro, Retrovisor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D