Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pedro Rolo Duarte

21
Nov08

O tal canal

Há 15 anos, quando se anunciava a chegada da televisão privada a Portugal, fiz uma série de entrevistas para o CMR (Correio da Manhã Rádio, que belíssima estação...) com alguns dos protagonistas do processo. O departamento de promoção do rádio decidiu aproveitar aquele conjunto de vozes e e concebeu um spot promocional do programa com “soundbytes” dessas entrevistas. Aquilo passou meses a fio na estação, de tal maneira que ainda hoje sei de cor algumas das frases que se misturavam na “promo”... Ouvia-se o Carlos Cruz dizer “a RTP será sempre a estação mais vista de Portugal, os espectadores estão muito habituados à RTP”; ouvia-se Soares Louro dizer “Três estações com publicidade é demais para o mercado português, pelo menos uma delas ficará pelo caminho...”; e ouviam-se outros especialistas que, regra geral, duvidavam do sucesso da empreitada. Excepção aberta para os nomes então ligados à TVI (a Igreja Católica...), e à SIC, o ambiente era de desconfiança em relação aos novos operadores e confiança na manutenção do status da RTP.

Os anos demonstraram que nem a RTP estava imune à dinâmica dos novos canais, nem o mercado era tão pequeno e pobre como se queria dar a entender. E, mais importante, os espectadores estavam disponíveis para mudar de agulhas e fazer novas opções.

Lembrei-me desse momento c0m o debate aberto esta semana, sobre o 5º canal generalista, no âmbito da abertura do concurso público para a licença de emissão. Também agora a maioria das vozes diz não haver espaço/mercado para mais um canal, defende-se o fim da exploração publicitária na RTP, e a TVI e a SIC não se cansam de lamentar a opção do Governo. A verdade, no entanto, é que há interessados no novo canal – se fosse um negócio ruinoso, o concurso morria sem concorrentes...

E, sejamos justos e rigorosos, em tempo algum a pluralidade e a diversidade fizeram mal à comunicação. Pelo contrário, foi essa abertura multicanal e mutiplataforma que permitiu a sustentação de Grupos de Comunicação Social com algum peso, e que abriu espaço ao desenvolvimento dos canais temáticos, mesmo que de forma ainda errática – como foi a privatização da imprensa estatizada e a liberalização do sector que abriram a porta a um sector de media verdadeiramente profissional.

Nesses tempos como agora, o mercado terá, como sempre, a ultima palavra – vai ser ele a “ensinar” aos operadores de que forma e com que meios quer ver cinco canais abertos a operar em Portugal. E a não ser que defendamos a teoria da ditadura dos seis meses, é assim que tem de ser...

2 comentários

Comentar post

Blog da semana

Ladrões de Bicicletas. Voltar a um dos mais clássicos blogues colectivos de análise e pensamento social e político e reencontrar excelentes textos, opiniões pensadas antes de escritas, e o prazer de um bom serão ao sofá a ler. Like.

Uma boa frase

“O centrão político - conservadores, liberais, social-democratas, trabalhistas - anda há mais de vinte anos a liberalizar os movimentos de capitais, a desregulamentar as actividades financeiras, a promover o "comércio livre", menorizando as consequências resdistributivas destas opções. Andaram a promover a ideia de que o mundo é mais bem gerido pela "mão invisível" dos mercados do que pelos poderes democraticamente eleitos. De que é que precisam mais para perceber que este é o resultado da sua globalização: que Marine Le Pen vença as presidenciais francesas?" Ricardo Paes Mamede, Ladrões de Bicicletas

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D