Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pedro Rolo Duarte

03
Dez08

Assim se vê como (realmente) é o PC...

Eu ontem escrevi sobre jornalismo. Mas os dedicados (e pouco delicados) militantes/simpatizantes comunistas decidiram, como disse Charlie, ler os seus males na minha opinião e aplicaram a frase clássica: "Quando a mensagem não agrada, mata-se o mensageiro".

Não vou responder a quem me manda “catar”, ou a quem me chama “ensonado jornalista”, a quem se sente “profundamente enojado” com o que digo, a quem fala de “paleio roto”, a quem gostaria de me “dizer pessoalmente onde é que deveria pôr a pimenta... - talvez no sítio onde se põe pó de talco nos bebés”, a quem me considera “desacreditado” e acha que “minto muito” e sou um “nojo”. Uma das razões porque a caixa dos comentários é aberta, não moderada, e até acolhe cobardes anónimos - no blog que leva em cima o meu nome, sublinhe-se -, é justamente porque eu respeito a opinião alheia, qualquer que ela seja. Não me tenho dado mal com a opção. Na verdade, num ano, contam-se pelos dedos de uma mão os insultos e as difamações de que fui alvo. Nessa medida, é muito curioso, e dá que pensar, que seja no dia em que me refiro ao Partido Comunista que chegam em catadupa as ofensas gratuitas.

Mas, se querem mesmo saber, tal facto não me espanta: eu fui militante da Juventude Comunista (à época, UEC) entre 1977 e 1979, isto é, entre os 13 e os 15 anos. Bati com a porta no dia em que percebi que dentro do PCP (e pelos vistos, fora também…) não se pode criticar ou discordar, que o centralismo democrático traz a mensagem de cima para baixo, até às bases, mas em sentido inverso qualquer ideia divergente ou sequer interrogativa é asfixiada e morre pelo caminho. Bati com a porta no dia em que percebi que o meu entendimento de democracia era diferente do entendimento do PCP. Eu gostava da ideia de “tese, antítese e síntese” – mas lá gostavam mais do “quero, posso e mando”. Comigo isso não pegava - e abandonei serenamente a militância política. Não foram precisos muitos anos para perceber que o meu equívoco com o partido era bem mais vasto – e passava pela ideologia, pelo próprio conceito de socialismo, e por um projecto de sociedade que tinha pouco de livre e democrático. Os países do bloco de leste aí estavam para o demonstrar. E entretanto cresci e li mais alguns livros.

Os comentários que o meu post recebeu – a começar no de Vítor Dias, quando chama “tenebrosa e degradada” à minha “concepção de jornalismo, de pluralismo e de vida democrática” – mostram que, 30 anos depois, nada mudou no PCP: o respeito pela opinião alheia continua nos mínimos, a tolerância à crítica inexiste, e qualquer sinal de democracia (por exemplo, aquele que permite aos profissionais dos media terem a legitima responsabilidade de escolher os assuntos que tratam e definir em liberdade os critérios de edição noticiosa…) é desprezado, mal vindo, e transformado em bode expiatório das insuficiências próprias.

Fiquem os comunistas (que por aqui passaram e insultaram...) tranquilos: não volto ao assunto tão depressa e menos ainda ao partido. Não debato com quem não conhece o verbo debater. E há coisas que não mudam, o que nem sempre é sinal de coerência. Muitas vezes é apenas cegueira. Ou um ensaio sobre ela…

 

PS – Para dar um toque humano ao debate: a fotografia mostra este vosso blogger, aos 14 anos, de microfone na mão, a discursar num Encontro de Jovens Comunistas do Ensino Secundário (salvo erro, numa sala do Hotel Vitória...). A minha intervenção era sobre a violência nos liceus e defendia a tese de que não se devia responder na mesma moeda e que a teoria do “olho por olho, dente por dente”, não era digna de uma esquerda moderna. Lá está...

31 comentários

Comentar post

Pág. 1/2

Blog da semana

Ladrões de Bicicletas. Voltar a um dos mais clássicos blogues colectivos de análise e pensamento social e político e reencontrar excelentes textos, opiniões pensadas antes de escritas, e o prazer de um bom serão ao sofá a ler. Like.

Uma boa frase

“O centrão político - conservadores, liberais, social-democratas, trabalhistas - anda há mais de vinte anos a liberalizar os movimentos de capitais, a desregulamentar as actividades financeiras, a promover o "comércio livre", menorizando as consequências resdistributivas destas opções. Andaram a promover a ideia de que o mundo é mais bem gerido pela "mão invisível" dos mercados do que pelos poderes democraticamente eleitos. De que é que precisam mais para perceber que este é o resultado da sua globalização: que Marine Le Pen vença as presidenciais francesas?" Ricardo Paes Mamede, Ladrões de Bicicletas

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D