Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pedro Rolo Duarte

08
Dez08

Em Vila Viçosa

 

 

O design gráfico é talvez o vício que o olhar mais frequentemente denuncia em mim. Sem que queira, dou comigo agarrado a uma página de jornal, a uma capa de revista, a um logótipo de uma marca, estudando o caminho que originou a arte final, descobrindo os segredos daquela solução, pensando como resolveria se o problema me tivesse sido colocado. Se não fosse pela escrita, o meu caminho teria sido pelo grafismo, ou pela cozinha…

Ontem, andava à chuva em Vila Viçosa, Alentejo, onde sempre me sinto como se lá tivesse nascido, e o olhar obrigou-me a abrandar nesta esquina, nesta placa: por mais imperfeito que tecnicamente seja, o lettering usado na Rua Guerra Junqueiro, o desenho do “R” de “Rua”, a composição das diversas declinações do mesmo tipo de letra, impressionaram-me e mexeram com a minha sensibilidade. O autor desta obra de sinalética tinha do desenho da letra noções que escapam à maioria dos comuns artífices das nossas vilas e cidades. Fosse quem fosse, estava à frente no seu tempo. Lá tirei a máquina fotográfica do bolso.

… E depois, havia ainda a caracterização do nomeado, responsabilidade de quem na edilidade chegou a Guerra Junqueiro para nome de rua: “poeta ilustre”. É de uma desarmante e tocante simplicidade. “Ilustre” - que melhor designação para um poeta que, tendo nascido em Freixo de Espada à Cinta, dá nome a uma rua de Vila Viçosa? Afinal, trata-se uma transversal da Rua Florbela Espanca, ela sim, uma mulher da terra…

Mas na verdade o que me tocou foi o desenho e a composição deste lettering num domingo chuvoso de Dezembro no Alentejo. O resto é mais para compor o post, como se fosse um sinal gráfico que “arredonda” a página.

2 comentários

Comentar post

Blog da semana

Ladrões de Bicicletas. Voltar a um dos mais clássicos blogues colectivos de análise e pensamento social e político e reencontrar excelentes textos, opiniões pensadas antes de escritas, e o prazer de um bom serão ao sofá a ler. Like.

Uma boa frase

“O centrão político - conservadores, liberais, social-democratas, trabalhistas - anda há mais de vinte anos a liberalizar os movimentos de capitais, a desregulamentar as actividades financeiras, a promover o "comércio livre", menorizando as consequências resdistributivas destas opções. Andaram a promover a ideia de que o mundo é mais bem gerido pela "mão invisível" dos mercados do que pelos poderes democraticamente eleitos. De que é que precisam mais para perceber que este é o resultado da sua globalização: que Marine Le Pen vença as presidenciais francesas?" Ricardo Paes Mamede, Ladrões de Bicicletas

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D