Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pedro Rolo Duarte

21
Jan09

O dia repetido

Foi o dia da overdose Obama. Foi o dia da repetição sistemática das imagens, dos pontos fortes, dos resumos, das frases de rodapé. Foi o dia do coro de vozes, das “notas importantes”, da variedade de gente que comenta, e do à-vontade com que todos dizem “O Obama” ou “O Bush”, como se fossem muito lá de casa. Foi o dia da overdose – e por causa disso, tudo redundou num único registo, uma espécie de campo e contra-campo que se anulam simultânea e mutuamente. Planos cruzados que nos fazem perder o ponto de referência. Como se fosse sempre o mesmo spot. E cada momento apaga o momento anterior, e cada ruído abafa o ruído anterior, e cada palavra faz esquecer a que foi dita – e como todos se repetem sucessivamente, todos se anulam e abafam. E assim desaparecem.

À medida que o dia passa verifico que as imagens “decisivas”, os momentos marcantes e únicos, tornaram-se progressivamente mais próximos de uma única massa informe, espécie de plasticina movediça e sem relevo. Como se tivesse assistido, em directo, ao picar da carne, até ficar feita em papa.

Daqui a pouco começam a rodar os jornais de amanhã e suspeito que vem mais um bocado de ruído para cima do ruído com que, neste instante, me retiro. Estou cansado do cansaço que me impuseram. Estou farto até do que ainda não aconteceu. E apesar de me ter rendido ao talento de Obama, não suporto mais uma única imagem repetida deste dia. Um dia repetido à exaustão. Para lá da exaustão.

Fui.

9 comentários

Comentar post

Blog da semana

Ladrões de Bicicletas. Voltar a um dos mais clássicos blogues colectivos de análise e pensamento social e político e reencontrar excelentes textos, opiniões pensadas antes de escritas, e o prazer de um bom serão ao sofá a ler. Like.

Uma boa frase

“O centrão político - conservadores, liberais, social-democratas, trabalhistas - anda há mais de vinte anos a liberalizar os movimentos de capitais, a desregulamentar as actividades financeiras, a promover o "comércio livre", menorizando as consequências resdistributivas destas opções. Andaram a promover a ideia de que o mundo é mais bem gerido pela "mão invisível" dos mercados do que pelos poderes democraticamente eleitos. De que é que precisam mais para perceber que este é o resultado da sua globalização: que Marine Le Pen vença as presidenciais francesas?" Ricardo Paes Mamede, Ladrões de Bicicletas

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D