Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pedro Rolo Duarte

31
Jan09

Sol e sombra

Quem quisesse, nesta fase da “campanha”, fazer um estudo interessante sobre a evolução do jornalismo e da comunicação nas últimas décadas, bastaria que comparasse o impacto nas vendas, audiências, e mesmo na notoriedade, dos jornais “O Independente”, na década de 80, e “Sol”, na actualidade.

A verdade é dura: nos anos 80, para acompanhar as manchetes cheias de sangue e pólvora de “O Independente”, a manhã de sexta-feira tinha um corropio de compradores e muita conversa nas bancas de jornais; em 2009, tudo se sabe na véspera, na internet, e em qualquer parte. Resultado: não é preciso comprar o “Sol”, e nem por isso deixamos de saber “o importante” sobre o caso Freeport. Na quinta-feira, o “Público” resumia as matérias da “Visão” e da “Sábado” e na véspera as televisões já tinham revelado as headlines de ambas.

A informação circula em circuitos tão rápidos e abertos que qualquer pessoa pode saber o essencial de toda a imprensa sem ter de gastar dinheiro ou fazer o mais pequeno esforço. Entre a televisão, os jornais e portais na net, os blogues, a rádio, os temas morrem antes mesmo dos jornais chegarem à banca.

Isso explica que, nesses idos de 80, o “Caso Cadilhe” – uma irrelevância transformada em escândalo... – tenha feito subir as vendas de “O Independente” do vermelho até ao verde nas contas de um ano, enquanto o Freeport dá notoriedade ao “Sol” mas não é exponencial no sucesso comercial do semanário, que parece cada vez mais tremido. Tudo mudou.

Isso convoca também a reflexão que alguns distraídos não estão a fazer: a sobrevivência da imprensa paga passa cada vez menos pelo jornalismo heavy-metal da notícia pura e dura (que ainda vai dando notoriedade, mas em breve será asfixiada pela própria ideia de concorrência e confusão entre marcas, como já sucede quando as televisões se citam mutuamente sem efeito nas suas audiências). O caminho, a ser salvaguardado ou prevenido, passa necessariamente pela mais-valia dos autores, de quem escreve, de como se escreve, se desenha, se fotografa, da criatividade, da capacidade de criar empatia e relação emocional com o leitor – ou seja, pelo trabalho aprofundado e consistente que justifica e explica o preço de capa. Um jornal é cada vez mais a soma dos seus “escritores” (entre aspas, porque debaixo deste chapéu estão jornalistas, cronistas, autores, designers, ilustradores, fotógrafos), e a marca que eles imprimem na credibilidade da marca que lhes dá guarida. O caminho é este.

Quem quiser continuar a pensar no jornalismo à antiga, com muitas notícias e pouca escolha, com mil títulos e muitas cores, com todos à uma e a esperança vaga de que um escândalo salve a honra das contas anuais, pode fazer contas à vida: só vai ter lugar nos semáforos. De borla.

8 comentários

Comentar post

Blog da semana

Ladrões de Bicicletas. Voltar a um dos mais clássicos blogues colectivos de análise e pensamento social e político e reencontrar excelentes textos, opiniões pensadas antes de escritas, e o prazer de um bom serão ao sofá a ler. Like.

Uma boa frase

“O centrão político - conservadores, liberais, social-democratas, trabalhistas - anda há mais de vinte anos a liberalizar os movimentos de capitais, a desregulamentar as actividades financeiras, a promover o "comércio livre", menorizando as consequências resdistributivas destas opções. Andaram a promover a ideia de que o mundo é mais bem gerido pela "mão invisível" dos mercados do que pelos poderes democraticamente eleitos. De que é que precisam mais para perceber que este é o resultado da sua globalização: que Marine Le Pen vença as presidenciais francesas?" Ricardo Paes Mamede, Ladrões de Bicicletas

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D