Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pedro Rolo Duarte

16
Mar09

Sábado na Comporta

Sábado de sol, potencial primeiro dia de praia para muita gente. Praia da Comporta, muita gente, crianças, famílias. Dois bares com concessões oficiais, que certamente têm regras e obrigações. São cinco da tarde, começa a sentir-se o ar frio de Março, e apetece comer qualquer coisa. Quem se dirige à “Ilha do Arroz”, encontra a porta fechada à chave, apesar de estar gente lá dentro e empregados. Ninguém vem explicar porquê e quem bate à porta só recebe indiferença. Não há quem se digne vir dar uma palavra... Uma cliente que passa diz apenas: “agora fechou durante um bocado, só vai abrir às seis”.

Do outro lado da passadeira está o “Comporta Café” – e quem bateu com o nariz na porta da “Ilha do Arroz” vai até lá. Uma empregada simpática esclarece: “agora não vai dar, temos uns grupos grandes para receber, vamos fechar durante mais ou menos uma hora para limpar a casa”.

Sábado, 14 de Março, 17:00 horas, praia da Comporta: os dois espaços de restauração licenciados para servir aquela praia comportam-se com o livre arbítrio de quem não tem de dar satisfações nem oferecer um serviço. Pura e simplesmente, fazem o que lhes dá na gana. No Verão do ano passado, por diversas vezes, deixaram os frequentadores da praia à mingua, alugando em simultâneo os seus espaços para casamentos e/ou eventos privados.

Pelos vistos, este ano continuam a fazer da concessão um salvo-conduto para o regabofe.

Alguém – olha, lá está, a ASAE... – quer tomar conta da ocorrência e ver a legislação debaixo da qual aqueles dois espaços foram privilegiados com uma concessão numa das mais bonitas (e frequentadas) praias do Alentejo?

24 comentários

Comentar post

Pág. 1/2

Blog da semana

Ladrões de Bicicletas. Voltar a um dos mais clássicos blogues colectivos de análise e pensamento social e político e reencontrar excelentes textos, opiniões pensadas antes de escritas, e o prazer de um bom serão ao sofá a ler. Like.

Uma boa frase

“O centrão político - conservadores, liberais, social-democratas, trabalhistas - anda há mais de vinte anos a liberalizar os movimentos de capitais, a desregulamentar as actividades financeiras, a promover o "comércio livre", menorizando as consequências resdistributivas destas opções. Andaram a promover a ideia de que o mundo é mais bem gerido pela "mão invisível" dos mercados do que pelos poderes democraticamente eleitos. De que é que precisam mais para perceber que este é o resultado da sua globalização: que Marine Le Pen vença as presidenciais francesas?" Ricardo Paes Mamede, Ladrões de Bicicletas

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D