Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pedro Rolo Duarte

08
Abr09

Afinal a Cicciolina não entrava no filme

Leio na net uma nota de João Miguel Tavares. Diz o seguinte: “Por muito tentadora que possa parecer a ideia de ir a tribunal discutir tangentes entre o primeiro-ministro e a ex-deputada italiana, há que fazer justiça ao engenheiro Sócrates e ao escritório de advogados do dr. Proença de Carvalho e esclarecer que fui processado por muitas frases desse artigo, mas nenhuma delas inclui antigas estrelas de cinema pornográfico. Lamento pôr em causa tanta criatividade textual e visual que saiu em meu auxílio na blogosfera, mas opiniões são opiniões - e factos são factos”.

Pois é: factos são factos.

… Andou meio mundo a espalhar por aí que o processo se devia à frase “Ver José Sócrates apelar à moral na política é tão convincente quanto a defesa da monogamia por parte de Cicciolina” – e isso deu pano para mangas para a indignação, o protesto, a solidariedade, o gozo, a ironia, e até o abaixo-assinado. Afinal, parece que o processo tem outros contornos, e assenta sobre pressupostos diferentes. Talvez Sócrates queira ver João Miguel Tavares explicar em tribunal o que quis dizer, factualmente e com provas, quando escreveu: “A sua licenciatura manhosa, os projectos duvidosos de engenharia na Guarda, o caso Freeport, o apartamento de luxo comprado a metade do preço e o também cada vez mais estranho caso Cova da Beira não fazem necessariamente do primeiro-ministro um homem culpado aos olhos da justiça. Mas convidam a um mínimo de decoro e recato em matérias de moral”. Atrevo-me a admitir que é mais por aqui que a coisa deu para o torto.

Mas agora a lama já está lançada sobre o processo. E nunca ninguém se lembrará do confronto entre Sócrates e os jornalistas sem citar Cicciolina, ainda que provavelmente não se recorde, no futuro, o que sucedeu efectivamente em tribunal, se algum dia o caso lá chegar…

É claro que a grande virtude da blogoesfera é esta liberdade ilimitada, este caos onde todos podem passear – de alguma forma, um blog é um jornal de que somos simultaneamente redactor, colunista e director, e nessa medida um espaço pessoal sem fim. Mas nesta grande virtude há de vez em quando grande equívoco. Muito excesso. E frequentemente pouco ou nenhum rigor.

Se calhar, boa parte dos argumentos contra Sócrates – no essencial, perseguir a liberdade de expressão – desaparece quando se conhecer em pormenor o processo. O que eu gostava era de saber quantos dos que escreveram sobre o tema, usando a frase onde se fala de Cicciolina, terão agora a sensatez e a seriedade de emendarem o tiro. Afinal, se o mundo dos blogues é "viral" para espalhar um boato, também devia ser "viral" para o corrigir...

Lá está: corrigir, emendar, isso, bom, isso pede-se a um jornal – não se pede a um blog...

 

Adenda tardia: para quem queira ver neste texto a defesa simples de José Sócrates, vale a pena ler este post, onde sou bastante claro sobre o facto de não considerar o voto.

 

8 comentários

Comentar post

Blog da semana

Ladrões de Bicicletas. Voltar a um dos mais clássicos blogues colectivos de análise e pensamento social e político e reencontrar excelentes textos, opiniões pensadas antes de escritas, e o prazer de um bom serão ao sofá a ler. Like.

Uma boa frase

“O centrão político - conservadores, liberais, social-democratas, trabalhistas - anda há mais de vinte anos a liberalizar os movimentos de capitais, a desregulamentar as actividades financeiras, a promover o "comércio livre", menorizando as consequências resdistributivas destas opções. Andaram a promover a ideia de que o mundo é mais bem gerido pela "mão invisível" dos mercados do que pelos poderes democraticamente eleitos. De que é que precisam mais para perceber que este é o resultado da sua globalização: que Marine Le Pen vença as presidenciais francesas?" Ricardo Paes Mamede, Ladrões de Bicicletas

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D