Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pedro Rolo Duarte

11
Dez07

O negro do mundo rosa

Este mês, na revista “Atlântico”, Maria Filomena Mónica dedica-se à imprensa cor-de-rosa. Infelizmente, dedica-se pouco – uma vez que não passa de uma análise pessoal a partir da leitura comparada, ao longo de um mês, da maioria dessas revistas. Mas o facto de Filomena Mónica e a “Atlântico” acharem que o tema merece alguma espécie de olhar, animou-me. Eu ainda tenho esperança de um dia ler uma investigação inteligente e profunda sobre este universo. O pouco que sei sobre ele diz-me que há muito por saber.
Embora a confissão seja irrelevante, é verdade que leio toda essa imprensa. “Ler” constitui verbo excessivo: vejo as fotos, leio os títulos, gosto de saber dos casamentos e dos divórcios. Talvez porque conheça algumas das pessoas que por ali se exibem, ou apenas porque sim. Seguramente, porque sim.
No outro dia – e aqui vai um pouco do pouco que sei e me leva a dizer que há ali muito por saber... - estava a ver uma dessas revistas e comentei para o lado: “Não percebo esta moda das discotecas e bares terem relações públicas que são figuras conhecidas das novelas e da moda...”
Dava-se o caso de ao meu lado estar uma profissional do meio. Explicou-me como funciona a coisa. É assim: a discoteca B convida a actriz A para ser relações públicas. A actriz A elabora semanalmente uma lista de pessoas conhecidas, a chamada "guest list”. Fica a dita lista na porta da discoteca B . As pessoas que constam dessa lista são "melgadas” pela actriz A para irem à dita discoteca, sob o pretexto de uma festa ou noite temática. Por cada uma que passe as portas da casa, a actriz A recebe, em média, um euro. Está determinado o seu “cachet”.
No caso de figuras mais mediáticas e chamativas, que por si só geram outras presenças e páginas nas revistas sociais, o negócio é outro: cobram para estarem presentes numa festa ou numa noite numa discoteca (valores que oscilam conforme os momentos, como acções na bolsa, e podem ultrapassar os 500 euros por noite). Chamam a essa espécie de trabalho uma “presença”. As discotecas, quando “chamam” as revistas, prometem antecipadamente a presença das figuras “fotografáveis” que entretanto contrataram para fazer de conta que estão ali por gosto e com gosto...
Uma verdadeira pescadinha de rabo na boca a que os chamados “colunáveis” chamam um figo, alimentando “generosamente” com as suas existências. Este mundo envolve profissionais que se fazem pagar para organizar e promover eventos, alguns dos quais são também os repórteres ou fotógrafos ao serviço da imprensa para as mesmas festas, ou comentadores de TV e rádio pagos para o efeito. Conflituam interesses com carteira profissional e sorriso escancarado – com ou sem conhecimento dos meios de comunicação. Sempre com dinheiro envolvido.
Cá está. O tema merecia uma boa investigação. Todas somadas, as revistas ditas cor-de-rosa significam qualquer coisa como 800 mil exemplares de tiragem semanal. Ultrapassam qualquer outra categoria. Temos a estranha mania de fazer de conta que as ignoramos. Mas elas vivem deste outro mundo onde se facturam “presenças” e se ganham euros com "guest lists”, onde quase tudo se compra e se vende.
 
Disclaimer : às vezes, eu próprio apareço nessas revistas. Infelizmente, de borla... (Para as mentes mais desatentas: isto é ironia.)

9 comentários

Comentar post

Blog da semana

Ladrões de Bicicletas. Voltar a um dos mais clássicos blogues colectivos de análise e pensamento social e político e reencontrar excelentes textos, opiniões pensadas antes de escritas, e o prazer de um bom serão ao sofá a ler. Like.

Uma boa frase

“O centrão político - conservadores, liberais, social-democratas, trabalhistas - anda há mais de vinte anos a liberalizar os movimentos de capitais, a desregulamentar as actividades financeiras, a promover o "comércio livre", menorizando as consequências resdistributivas destas opções. Andaram a promover a ideia de que o mundo é mais bem gerido pela "mão invisível" dos mercados do que pelos poderes democraticamente eleitos. De que é que precisam mais para perceber que este é o resultado da sua globalização: que Marine Le Pen vença as presidenciais francesas?" Ricardo Paes Mamede, Ladrões de Bicicletas

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D