Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Pedro Rolo Duarte

08
Dez14

A feira

feira.jpg

Ontem entrei nos terrenos que foram, na minha infância e juventude, a Feira Popular (local de romagem obrigatória no ultimo dia de aulas do Liceu, todos os anos…), e onde agora, durante esta época natalícia, se montou um improvisado mini parque de diversões, atamancado num chão degradado e até perigoso, pouco asseado e demasiado barulhento. Bom, os putos divertem-se, e isso é que interessa.
Porém, olhando aquele vasto terreno em pleno centro da cidade de Lisboa, e face às notícias de que a Camara de Lisboa tenciona vender aquilo tudo no decorrer do próximo ano (está inscrito no Orçamento da CML), não consegui deixar de pensar em todos os grandes negócios que foram feitos nos últimos anos entre Estado e privados, como não consegui que o meu pensamento fugisse do Estabelecimento Prisional de Évora, como derrapei no BES, e acabei meio zonzo com a imagem de Isaltino…
Resumindo: temo o pior. Não sei se não prefiro aquilo assim, intocado, mesmo que abandonado. Ou transformado em jardim publico. Qualquer coisa menos negócios que daqui a uns anos vão dar noticias de jornal. Más notícias.

(Chegámos a este ponto: o medo de abrir mais um capitulo de miséria e crime leva-nos a admitir que é melhor ficar quieto. Não fazer. Não mexer. Não avançar. Há pior sintoma?)

Blog da semana

Ladrões de Bicicletas. Voltar a um dos mais clássicos blogues colectivos de análise e pensamento social e político e reencontrar excelentes textos, opiniões pensadas antes de escritas, e o prazer de um bom serão ao sofá a ler. Like.

Uma boa frase

“O centrão político - conservadores, liberais, social-democratas, trabalhistas - anda há mais de vinte anos a liberalizar os movimentos de capitais, a desregulamentar as actividades financeiras, a promover o "comércio livre", menorizando as consequências resdistributivas destas opções. Andaram a promover a ideia de que o mundo é mais bem gerido pela "mão invisível" dos mercados do que pelos poderes democraticamente eleitos. De que é que precisam mais para perceber que este é o resultado da sua globalização: que Marine Le Pen vença as presidenciais francesas?" Ricardo Paes Mamede, Ladrões de Bicicletas

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D