Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Pedro Rolo Duarte

24
Set15

A grande ilusão

(Crónica originalmente publicada na edição de Agosto da Lux Woman. A deste mês já está á venda e vale bem a pena...)

Na adolescência, o Verão é geralmente o tempo das grande ilusões amorosas, e das ainda maiores desilusões. Os namoros de Verão arrasam os que vinham do Inverno - mas depois duram pouco e sofremos pelo que perdemos e julgamos nunca mais recuperar. Lembro-me de ser adolescente e sonhar com as “férias grandes”, para depois desejar ardentemente que acabassem para tentar voltar ao que entretanto perdera…
Vivia em ansiedade permanente - mas gostava dessa sensação de abismo. Olhava para os meus pais e pensava: ser adolescente é isto, diferente de ser adulto. Um dia vai passar, e eu serei como o meu pai, tranquilo e bom marido, cuidadoso e cuidador, apaixonado e dedicado…
E toda essa loucura e ansiedade passaram mesmo. Os meus Verões são hoje, emocionalmente, iguais aos Invernos: como têm de ser. Uns assim, outros assado. Pouco importa.
Porque, pelos vistos, na idade adulta o Verão é o momento para outros sentimentos fortes e ansiedades repentinas: as desilusões da política, ou mais rigorosamente do que julgávamos ser o mundo onde queríamos viver. Não preciso de voltar a 2001 e lembrar o 11 de Setembro, e como ele mudou a nossa cómoda forma de viver e de estar, num Ocidente momentaneamente  pacificado. Nem quero ir a 1975 e lembrar o Verão Quente português, que este ano “comemora” o seu quadragésimo aniversário. Basta-me este ano de 2015 e o seu confronto europeu a propósito da Grécia.
No momento em que escrevo ainda existe Grécia e ela ainda faz parte da “zona euro” - mas é indiferente, para esta crónica, o destino do país e do Euro. O que me interessa é simples: este foi o Verão em que a ilusão da Europa foi substituída, sem dó nem piedade, pela desilusão europeia. Não é como na canção, que dizia “Afinal havia outra”, é mesmo sem outra: afinal, não havia Europa.
Houve um sonho europeu, com o qual vibrei com apenas 22 anos, e vi nele uma gigantesca “linha de crédito”: financeira, sim, para pôr Portugal em dia, mas essencialmente social e política. Acreditámos que íamos construir uma fortaleza (ligada a um velho continente…) onde a paz, a democracia, a justiça, a solidariedade e o desenvolvimento eram tão desejados quanto óbvios. A ideia de Europa era um pouco como um casamento: certamente atravessaria as suas dificuldades - mas desde que ambas as partes o desejassem fortemente, seria indestrutível. E como numa família, haveria filhos para ajudar a crescer e educar, netos que veríamos nascer, e cunhados e primos para solidificar a grande família. Ingenuamente, percebo agora, ignorei os pecados mortais que inteligentemente a Igreja Católica consagrou: a gula, a avareza, a inveja, a soberba, para falar apenas dos que contam para este fim de ciclo. Estupidamente, fiz de conta que a raça humana, em especial na Europa, tinha aprendido a lição e mudado radicalmente depois de 1945.
Nada disso. Na essência, nada mudou, e os pecados estão aí para serem servidos e praticados. A desilusão deste Verão foi essa: perceber que a ideia de Europa não passou disso mesmo, uma ideia. Que houve casamentos de conveniência, infidelidades, traições, amantes e amores desfeitos, como nos casais mais primários e banais; e que os senhores e senhoras que elegemos para orientar tudo isto são afinal fracos - e pouco, muito pouco solidários.
A crise na Europa, qualquer que seja o seu desfecho, reproduz as nossas relações amorosas, de amizade, o mundinho onde nos fechamos todos os dias: cada um por si, muito poucos dispostos a dar o corpo ao manifesto. E deixa o sabor amargo a “mais do mesmo”: o reconhecimento de que nós, os do Sul, nunca seremos como “eles”, os do Norte, e que no fundo tudo obedeceu à mais clássica das exclamações: “É a economia, estúpido!”.
Assim me sinto, estúpido e desiludido, cumprindo o que a adolescência me ensinou sobre o Verão: é muito bom, mas quase sempre acaba mal…

Blog da semana

Ladrões de Bicicletas. Voltar a um dos mais clássicos blogues colectivos de análise e pensamento social e político e reencontrar excelentes textos, opiniões pensadas antes de escritas, e o prazer de um bom serão ao sofá a ler. Like.

Uma boa frase

“O centrão político - conservadores, liberais, social-democratas, trabalhistas - anda há mais de vinte anos a liberalizar os movimentos de capitais, a desregulamentar as actividades financeiras, a promover o "comércio livre", menorizando as consequências resdistributivas destas opções. Andaram a promover a ideia de que o mundo é mais bem gerido pela "mão invisível" dos mercados do que pelos poderes democraticamente eleitos. De que é que precisam mais para perceber que este é o resultado da sua globalização: que Marine Le Pen vença as presidenciais francesas?" Ricardo Paes Mamede, Ladrões de Bicicletas

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D