Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pedro Rolo Duarte

09
Nov14

A gritaria da Vodafone

Se me perguntassem qual era a maior agressão que a vida moderna me faz, nem hesitaria na resposta: o ruído. Do barulho das chávenas e pires que se empilham numa pastelaria à gritaria com que as pessoas gostam de demonstrar a sua felicidade nos jantares de grupo, passando pela máquina de cortar relva no jardim aqui em frente, o ruído é uma agressão que me tira do sério e me violenta profundamente.
Já escrevi mil vezes sobre isto.
Se volto ao tema, é só para deixar este desabafo: se fosse cliente da Vodafone - já fui, hoje em dia não sou -, estaria neste momento a estudar tarifários para mudar imediatamente de operador de comunicações. Uma empresa que aprova uma campanha publicitária em que a única coisa que nos chama a atenção é a gritaria - “paaaiiiiiiiii!!!!” - de duas irmãs a disputarem o mesmo objecto, não deve desejar ter clientes. Eu fugiria a sete pés. Neste momento, falam-me em Vodafone e eu oiço crianças aos gritos. Vejo o logotipo da Vodafone, e lembro-me de crianças aos gritos. Recebo uma chamada “91”, e imagino gritos do outro lado.
A Vodafone, empresa que vende aparelhos e serviços que permitem que as pessoas comuniquem entre si, de preferência civilizadamente, acha engraçado, divertido, chamativo, atraente, eu sei lá, acha normal basear uma campanha de publicidade numa gritaria agressiva, incómoda, antipática, e anti-comercial. Sempre que o anuncio passa, atiro-me ao comando para cortar o som. Nem sei o que estão a tentar vender.
Ou cada vez percebo menos de comunicação, ou cada vez se comunica pior. Ainda por cima, aos gritos. Que pesadelo.

4 comentários

Comentar post

Blog da semana

Ladrões de Bicicletas. Voltar a um dos mais clássicos blogues colectivos de análise e pensamento social e político e reencontrar excelentes textos, opiniões pensadas antes de escritas, e o prazer de um bom serão ao sofá a ler. Like.

Uma boa frase

“O centrão político - conservadores, liberais, social-democratas, trabalhistas - anda há mais de vinte anos a liberalizar os movimentos de capitais, a desregulamentar as actividades financeiras, a promover o "comércio livre", menorizando as consequências resdistributivas destas opções. Andaram a promover a ideia de que o mundo é mais bem gerido pela "mão invisível" dos mercados do que pelos poderes democraticamente eleitos. De que é que precisam mais para perceber que este é o resultado da sua globalização: que Marine Le Pen vença as presidenciais francesas?" Ricardo Paes Mamede, Ladrões de Bicicletas

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D