Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Pedro Rolo Duarte

23
Abr16

Afinal havia outra

eugénia.jpg

Começou tudo com um equívoco. O nome dela. O nome dela era igualzinho ao nome de uma pessoa com quem trabalhei, numa revista, há muito tempo - e dessa pessoa guardo boas memórias (embora nunca mais tenha sabido dela). Porém, de entre inúmeras qualidades que tinha, a escrita não era uma delas…
Por isso estranhei, mas ao mesmo tempo fiquei fascinado: Uau, a Eugénia surpreende-me, quase 20 anos depois, com um talento absolutamente extraordinário para escrever, fosse prosa ou poesia, fossem textos mais nas nuvens ou de pés na terra com opinião formada e argumentação inteligente!
Não demorei muito tempo a perceber - não me lembro como, uma fotografia de jornal, uma biografia breve, qualquer coisa assim… - que afinal havia outra. Esta Eugénia não era a que tinha conhecido e com tinha trabalhado. Era outra. Só o nome era igual.
A graça do equívoco é apenas essa: provavelmente, no começo, dei mais atenção aos textos da Eugénia de Vasconcellos na blogosfera por causa dessa coincidência. Mas a circunstância não muda a essência: sou um seguidor fiel e leal das palavras que esta mulher nos oferece (agora, no “Escrever é Triste”).

Há dias lera o Manuel S. Fonseca, lá no blog, anunciar o livro em que se revela a Eugénia poetisa: “Li os poemas e encontrei neles uma discursividade exuberante, tão desregrada como bela, uma integração do quotidiano no jogo metafórico, como não vejo em mais nenhuma da nossa poesia actual.  Este é um livro em que a linguagem vai ter com a vida e dá lugar a uma voz poética própria”.
E agora ele aqui está. É o meu livro para o fim-de-semana. E sem querer violar as regras da edição e do direito de autor, deixo-vos um dos poemas mais pequenos - mas grande, na sua economia de palavras - para abrir o apetite.
Chama-se “Vai” e diz assim:

Esperei-te. Não chegaste.
Agora vai até ao fim do teu nome
descobrir a minha ausência
em cada uma das suas letra.

Blog da semana

(Un) Naive. Blog de uma jovem de 21 anos que, nos intervalos do curso de Relações internacionais, viaja, faz voluntariado por todo o mundo, e inspira entre textos e fotografias. É o blog da Rafaela.

Uma boa frase

“O Outono é feito de conforto e de amparo, como um colo apetecido onde se deita a cabeça para apaziguar o corpo e a alma, ou o calor de um abraço do qual não queremos soltar-nos." Isabel Mouzinho, Isto e Aquilo

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D