Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pedro Rolo Duarte

27
Jan16

As lições de uma ponte

(Texto escrito para este especial do Sapo 24)

Falemos como no futebol: uma triangulação. Foi isso que se deu naquela hora de almoço de sexta-feira, 24 de Junho de 1994. Eu estava a almoçar com a minha (então) noiva, Cristina, e a dupla José Eduardo e Florbela Bem, responsáveis da empresa “Casa do Marquês”, a quem entregáramos a produção do nosso casamento, marcado para Setembro desse ano. Como se calcula, para mim aquilo era o mais relevante que podia existir naquele dia, e não havia nada que abalasse a discussão sobre a cor das toalhas das mesas e o menu que faria da cerimónia algo inesquecível.
Porém, ao mesmo tempo, havia uns tantos camionistas a bloquear a Ponte 25 de Abril, contestando um aumento de 50% nas portagens, e a tensão aumentava a cada minuto, com policia de intervenção presente e confrontos iminentes. Um visionário do jornalismo, chamado Carlos Cáceres Monteiro, teve a percepção de que aquele momento determinava e marcava o fim de Cavaco Silva enquanto primeiro-ministro. Ele era director da Visão, revista com escassos anos de vida, e eu era seu editor-geral, espécie de numero dois (em conjunto com um editor-coordenador), e ambos perdíamos dias e dias, em reunião, a tentar fazer uma newsmagazine que Portugal nunca tinha tido.
Enquanto debatia tranches de salmão, queijos da serra e vinhos do Douro, o Cáceres telefonava-me desesperado (e sem sucesso…) - queria uma reunião de emergência para avançar para uma edição extra da revista (dado que a edição normal tinha sido publicada na véspera, quinta-feira) sobre o bloqueio da ponte.
Falhou a triangulação.
O assunto não me incomodou minimamente - com o meu faro politico semelhante ao de um anósmico, entendia que se tratava de um caso de policia que rapidamente se resolveria. Não foi. Foi o “buzinão” que acabou com Cavaco Silva na governação, para bem de todos nós (ainda que lamentavelmente não tenha acabado com o politico Cavaco Silva, como agora verificamos…)
Nessa sexta-feira, à tarde, ainda argumentei que o caso não merecia uma edição especial - mas era evidente que merecia, e que o Cáceres tinha razão. Fizemo-la e eu lá estive, da capa à última página. Sempre a protestar, claro…
Lição primeira: a vantagem de trabalhar com os mais velhos e experientes é aprender todos os dias, e ao mesmo tempo ganhar a humildade que só o tempo nos cola à existência. O Cáceres Monteiro faz falta ao jornalismo cata-vento dos tempos que correm.
Lição segunda: em democracia, não há Cavaco deste Mundo, com a sua atitude arrogante e prepotente, que vença uma massa de trabalhadores revoltados e furiosos.
Lição final: nessa medida, Cavaco Silva foi útil. Com ele aprendemos tudo o que não se pode nem deve fazer em democracia. Espero que esta última lição seja clara para os presidentes que se seguem…
Triangulação terminada.

3 comentários

Comentar post

Blog da semana

Ladrões de Bicicletas. Voltar a um dos mais clássicos blogues colectivos de análise e pensamento social e político e reencontrar excelentes textos, opiniões pensadas antes de escritas, e o prazer de um bom serão ao sofá a ler. Like.

Uma boa frase

“O centrão político - conservadores, liberais, social-democratas, trabalhistas - anda há mais de vinte anos a liberalizar os movimentos de capitais, a desregulamentar as actividades financeiras, a promover o "comércio livre", menorizando as consequências resdistributivas destas opções. Andaram a promover a ideia de que o mundo é mais bem gerido pela "mão invisível" dos mercados do que pelos poderes democraticamente eleitos. De que é que precisam mais para perceber que este é o resultado da sua globalização: que Marine Le Pen vença as presidenciais francesas?" Ricardo Paes Mamede, Ladrões de Bicicletas

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D