Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Pedro Rolo Duarte

20
Mai15

Cartas fechadas

(Crónicas originalmente publicada na revista Lux Woman. A deste mês já saiu, está aí...)

Sou daqueles seres incuráveis que pertencem a um passado mais do que passado: ainda compro jornais diários em papel. Não há dia em que não pense no contra-senso de um produto que, no momento em que o adquiro, está dez horas desactualizado, e cujo conteúdo posso ter gratuitamente em várias plataformas. Mas compro na mesma.
Entre outras virtudes - há algumas, apesar dos tempos… -, as edições em papel ainda têm o chamado “pequeno anuncio”. Porém, desde que a crise se instalou, reparo que boa parte do pequeno anuncio dos jornais é ocupada com comunicações sob a designação “Carta Fechada”. Titulo mais romântico seria difícil - mas de romântico não tem nada. São os anúncios das empresas falidas cujos bens se disponibilizam para compra através da tal “carta fechada”. Doeu-me o confronto entre a beleza da expressão “Carta Fechada” e a sua efectiva tradução. Por outro lado, senti que havia, ainda assim, algum sentido na potencial modernidade da ideia. Não vale a pena fugir: o tempo da carta morreu. Como do telex ou do telegrama. Quando temos cartas na caixa do correio, é quase sempre pelas piores razões: contas para pagar, avisos de suspensão do serviço, ameaças da Autoridade Tributária, convites despersonalizados para eventos a que não pretendemos comparecer.
Vou mais longe: se nos aproximarmos da actualidade e entrarmos no mundo do mail, mergulhamos no universo negro da esquizofrenia postal. A sério: as finanças acham que as cinco da manhã de domingo constituem um bom momento para enviar mails devastadores, e há associações de pessoas que “gostam de ver aves” a usar listas de mails que incluem pessoas como eu, que sobre a palavra “ave” só me ocorre a bela perdiz com couve e feijão branco…
O meu dia começa com a limpeza deste correio “mau”, numa espécie de atitude pro-activa que me lembra o anuncio que falava do “bate-escova-aspira”. Mais tarde, ao final da noite, volto à carga e repito a operação.
A ideia de correio mudou de tal maneira que tenho a profunda convicção de que, nos dias que correm, a melhor forma de dar nas vistas, e ter alguma notoriedade numa mensagem que queiramos transmitir, passa de novo pelo velho processo da carta pessoal, de preferência escrita (ou pelo menos endereçada…) à mão. A essas eu ligo. Quem não liga? Um envelope com a letra trôpega, e a morada rasurada, deixa-me em pulgas - ao contrário de uma carta do Banco, que é quase sempre indiferente. Ou indesejada. Mesmo quando perfeita.
E tudo isto vem da Internet e da mudança que operou na nossa forma de comunicar, viver, e até… amar. Penso muito sobre isso.
Exemplo: temos agora um Papa modernaço e disponível para o debate. Mas ainda não vi ninguém chegar-se à frente com uma proposta que me parece não apenas ajustada como essencial. A saber: faz sentido, nos votos do matrimónio, falar na saúde e na doença, nos momentos bons e maus, e não ser ainda expresso algo como “com ou sem facebook”?
Não adianta fugir com o rabo à seringa: a maioria dos divórcios já não tem a ver com saúde e a doença, ou a riqueza e a pobreza, mas com parvoíces no Facebook ou sms’s que revelaram mais do que deviam.
Vamos fazer de conta que não existem? Vamos fazer anúncios a falar de “cartas fechadas”? Se a comunicação é a chave mestra dos dias de hoje, então as palavras têm quase força de lei. Está na altura de mudar discursos, titulo, definições e conceitos.
Quando voltar a casar, gostava de dizer “prometo ser-te fiel, amar-te e respeitar-te, na alegria e na tristeza, na saúde e na doença, no Facebook e no twitter, no Instagram ou mesmo por mail, todos os dias da nossa vida, com ou sem roaming, e mesmo que não tenha rede ou bateria no telefone”.
E se fosse possível, para voltar ao começo, também gostava que uma carta fechada não fosse mais do que isso: uma carta fechada à espera que o destinatário a abra. Como um jornal à espera de quem o compre. Ou um amor puro e sem intermediários. Talvez apenas sonhe com um tempo em que voltaremos a ser verdadeiros. Nos actos como, previamente, nas palavras que os antecedem.

Blog da semana

Ladrões de Bicicletas. Voltar a um dos mais clássicos blogues colectivos de análise e pensamento social e político e reencontrar excelentes textos, opiniões pensadas antes de escritas, e o prazer de um bom serão ao sofá a ler. Like.

Uma boa frase

“O centrão político - conservadores, liberais, social-democratas, trabalhistas - anda há mais de vinte anos a liberalizar os movimentos de capitais, a desregulamentar as actividades financeiras, a promover o "comércio livre", menorizando as consequências resdistributivas destas opções. Andaram a promover a ideia de que o mundo é mais bem gerido pela "mão invisível" dos mercados do que pelos poderes democraticamente eleitos. De que é que precisam mais para perceber que este é o resultado da sua globalização: que Marine Le Pen vença as presidenciais francesas?" Ricardo Paes Mamede, Ladrões de Bicicletas

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D