Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pedro Rolo Duarte

26
Jul14

Cusquices

(Crónica originalmente publicada na revista Lux Woman. A deste mês saiu ontem e está excelente)

 

(Por acaso, o ultimo parágrafo está - felizmente - ligeiramente desactualizado...)

É claro que há uma porteira cusca dentro de cada um de nós. Por mais que digamos isto e aquilo, e falemos de respeito e “não tenho nada a ver com isso”, se nos deixam uma ponta da janela aberta, nós espreitamos; se nos põem a revista à mão, nós coscuvilhamos; se nos deixam ouvir uma história cabeluda, nós ouvimos.
Pronto. A generalização deu-me jeito para contar uma história que demonstra, uma vez mais, como as ideias pré-concebidas e os estereótipos são enormes tolices que tomam contam das nossas vidas. Uma profissão dita um estilo; uma imagem determina um conteúdo; Uma palavra define uma pessoa. E no entanto…
… E no entanto aconteceu-me assim.
Ía no metro, que estava cheio, e encostei-me de pé num canto. À minha frente estava um jovem de menos de 30 anos, fato e gravata entre o cinzento e o preto. Podia ser bancário. Ou engenheiro informático. Ou nada disso, lá estou eu já a pré-conceber uma ideia a partir de uma imagem. Estava então um jovem de fato e gravata presumivelmente a caminho de casa. Eram sete da tarde de um dia sem história.
O telefone dele emite um sinal, tira o telefone do casaco, abre, e de repente o écrã está tão de frente para ele como de frente para mim. É aqui que o cuspa acorda. Se fosse educado e respeitador, eu viraria a cara para o lado - mas a tentação foi maior e eu li a mensagem que ele acabara de receber. Dizia mais ou menos isto:
Já estou em casa. E tu, como correu a reunião? Vens cedo?
Não resisto normalmente à minha voadora e excessiva imaginação. Comecei a imaginar uma rapariga, na sala de um apartamento modesto nos arredores de Lisboa, a escrever esta mensagem, à espera do marido. Certamente casados há pouco tempo, a aliança dele brilha na mão esquerda. Uma vida normal, casa-trabalho, trabalho-casa, e a rotineira troca de mensagens ao fim do dia, o jantar, “compras cebolas?”, “sexta jantamos em casa da minha irmã”, “não te esqueças de telefonar ao teu primo, faz anos hoje”. Tudo o que não desejamos quando temos, e invejamos quando nos falta.
Enquanto a minha imaginação ía e vinha, as mensagens continuaram. E eu, o cusco atrás do rapaz, a ler. Respondeu ele:
A reunião foi uma seca, já calculava, mas correu bem. Estou no metro, a caminho.
E ela:
Que bom, ainda é cedo.
Imaginei um sorriso doce, dela, e procurei adivinhar a resposta dele. Iria escrever algo como “até já, amor”. Apostei comigo próprio, num jogo já completamente descarado de espectador do alheio.
Mas não foi assim. O rapaz, sem perder o ar seráfico, a expressão cerrada e banal, o mais banal dos olhares para um telefone, escreve o seguinte:
Estou desejoso de chegar a casa, agarrar-te com força, arrancar-te a roupa toda no meio da sala até te ter toda nua e te…
… Bom, daqui para a frente, a linguagem entra no domínio do XXX, e não posso reproduzir o que li, mas vos garanto ser uma declaração sexual de uma intensidade e com uma força que, por si só, constituiriam clímax para qualquer humano sensível.
Varado, eu olhava para a cara do homem e para o telefone, e via dois filmes distintos: no filme real, ali, no metro, um homem teclava no seu telefone como quem paga a conta de luz ou confirma a consulta médica via SMS; no ecrã do seu telefone, eu testemunhava (envergonhado, admito, pois repentinamente senti-me realmente voyeur…) um momento fortíssimo de sexo virtual e a revelação de uma personalidade que não batia de todo certo com a imagem que exibia.
Felizmente chegou a minha estação de saída e acabou ali o meu encontro com as ideias pré-concebidas. E o que ficou foi algo bem mais bonito e profícuo: o reconhecimento de que aquele rapaz me deu uma lição de humildade e um remédio santo para a tentação do julgamento prévio.
E mais: por detrás do seu fato e da gravata, e da aparência de uma vida sem história, ele tinha a quem mandar aquela mensagem cheia de vida. E eu não. Engoli em seco.

3 comentários

Comentar post

Blog da semana

Ladrões de Bicicletas. Voltar a um dos mais clássicos blogues colectivos de análise e pensamento social e político e reencontrar excelentes textos, opiniões pensadas antes de escritas, e o prazer de um bom serão ao sofá a ler. Like.

Uma boa frase

“O centrão político - conservadores, liberais, social-democratas, trabalhistas - anda há mais de vinte anos a liberalizar os movimentos de capitais, a desregulamentar as actividades financeiras, a promover o "comércio livre", menorizando as consequências resdistributivas destas opções. Andaram a promover a ideia de que o mundo é mais bem gerido pela "mão invisível" dos mercados do que pelos poderes democraticamente eleitos. De que é que precisam mais para perceber que este é o resultado da sua globalização: que Marine Le Pen vença as presidenciais francesas?" Ricardo Paes Mamede, Ladrões de Bicicletas

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D