Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pedro Rolo Duarte

27
Abr15

Dias atípicos

Na véspera da comemoração do dia em que a liberdade foi devolvida aos portugueses, soube-se que andava pela Assembleia da Republica um projecto de diploma que criava uma espécie de “exame prévio” ao trabalho dos jornalistas em campanha eleitoral. Confesso: achei a coisa tão absurda e ridícula, que nem consegui levá-la a sério. Fez-me lembrar a história daquele deputado que roubou o gravador a um jornalista - são aquelas peripécias, aqueles fait-divers, que tornam os nossos dias menos cinzentos. Ri-me. Não sabia mais o que fazer.
(O tal diploma morreu, mas parece que não era tão brincadeirinha quanto isso. Lá está: eu e a minha mania de não levar nada muito a sério…)
Depois veio o 25 de Abril e o PSD e o CDS acharam que era a data ideal para anunciar uma coligação eleitoral. Marcelo disse na TVI que Passos e Portas desconfiam um do outro, mas disfarçaram para aparentar unidade. Meu deus, terei ouvido bem?
Enquanto isso, na RTP-Memória, a recordação da emissão especial dedicada às eleições para a Assembleia Constituinte, em 1975, devolveu-nos o país que éramos há 40 anos, sem tirar nem por. Do “securitas” da RTP que ficou tranquilo quando lhe disseram que “aquilo” era um “golpe de estado” ao ponteiro que Eládio Clímaco e Fialho Gouveia empunhavam para debitar resultados, passando pelo fumo nos estúdios e pela Manuela de Melo chateada porque em 1974 ninguém quis ocupar os estudios da RTP-Porto. Amei um velhote que dizia que ía votar na “mãozinha” sem saber porquê ou sequer o que era.
Mas agora a sério. Fico confuso com tanto non-sense, tanto gato fedorento, tanto humor inadvertido. Pergunto-me por onde andará a realidade.

1 comentário

Comentar post

Blog da semana

Ladrões de Bicicletas. Voltar a um dos mais clássicos blogues colectivos de análise e pensamento social e político e reencontrar excelentes textos, opiniões pensadas antes de escritas, e o prazer de um bom serão ao sofá a ler. Like.

Uma boa frase

“O centrão político - conservadores, liberais, social-democratas, trabalhistas - anda há mais de vinte anos a liberalizar os movimentos de capitais, a desregulamentar as actividades financeiras, a promover o "comércio livre", menorizando as consequências resdistributivas destas opções. Andaram a promover a ideia de que o mundo é mais bem gerido pela "mão invisível" dos mercados do que pelos poderes democraticamente eleitos. De que é que precisam mais para perceber que este é o resultado da sua globalização: que Marine Le Pen vença as presidenciais francesas?" Ricardo Paes Mamede, Ladrões de Bicicletas

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D