Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pedro Rolo Duarte

09
Mar15

Dias que passam

Não querendo colar-me ao meu “café da manhã” da imprensa - que são as crónicas do Miguel (Esteves Cardoso) no Público -, quer-me parecer que o mais relevante do fim de semana foi mesmo a meteorologia: regressou o Sol, o céu limpo, o calor. Ele, o Miguel, escreveu:
O céu tem estado. O mar está cada vez mais. Até o céu de noite, de tão aceso por todas as estrelas, com a lua cada vez maior e mais amarela, também tem sido. Azul. Azúis. Graças ao sol que, sem nunca se ter ido embora, conseguiu dar a impressão de ter voltado não só depois de longa ausência como para sempre”. Depois falou, cheio de razão, sobre cães e a merda que os donos deixam nas praias, sem dó nem piedade…
Seguindo.
Pena a água do mar estar gelada a um ponto insuportável mesmo para quem, como eu, gosta de dizer, quando vai à praia: “não estou cá para outra coisa: mergulhar”…
… Não mergulhei. Primeiro objectivo: falhado.
Mas, ao fechar os olhos e estender o corpo ao Sol, ao lado da A., e sentir o prazer do momento e a falta que me faz a praia todos os dias do ano, não deixei de pensar na caótica e tantas vezes absurda forma como ordenamos os pensamentos de cada dia, privilegiando o lixo sobre o luxo, o mau sobre o bom, o irrelevante sobre o que releva.
Luxo, bom e relevante, é este sol e este clima num dia do começo de Março. Lixo, mau e irrelevante é a forma como se começa a desenhar a campanha eleitoral, em cima da espuma, fugindo ao essencial.
Se eu fosse Pedro Passos Coelho, já me tinha demitido - mas talvez por isso, nunca me passou pela cabeça “fazer carreira” na politica, sou capaz de perceber e aceitar os inaceitáveis erros que tem cometido, e nem consigo dar-lhes a importância que tantos julgam ter. Ao contrário, falando em assuntos mal explicados, aí sim, as malas de notas por explicar que abalam, mesmo que não cheguem a condenar, José Sócrates (exemplar, de passagem, o dossier da última edição da Sábado, talvez o melhor e mais esclarecedor trabalho sobre a matéria até hoje publicado), incomodam-me e deixam-me “abazurdido”: aquele homem foi primeiro-ministro de Portugal tempo demais para tamanha dose de sarilhos. Quantas pessoas sérias e competentes terão perdido tanto, ou mesmo tudo, por cada tanto que ele terá ganho, se se provar que assim foi?
Entre um caso, o de Sócrates, e o outro, de Passos Coelho, vai a distancia do tempo que faz ao tempo que nos falta. Queremos mais Verão ainda antes da Primavera, e vamos lamentar tanto calor quando nos faltar um pouco de fresco.
É sempre assim. Ou como dizia Pessoa, aliás Caeiro: “Um dia de chuva é tão belo como um dia de sol./ Ambos existem, cada um como é”. Pois. O problema é mesmo esse: não aceitamos as evidências, mesmo quando existem. Os dias não são todos iguais.

1 comentário

Comentar post

Blog da semana

Ladrões de Bicicletas. Voltar a um dos mais clássicos blogues colectivos de análise e pensamento social e político e reencontrar excelentes textos, opiniões pensadas antes de escritas, e o prazer de um bom serão ao sofá a ler. Like.

Uma boa frase

“O centrão político - conservadores, liberais, social-democratas, trabalhistas - anda há mais de vinte anos a liberalizar os movimentos de capitais, a desregulamentar as actividades financeiras, a promover o "comércio livre", menorizando as consequências resdistributivas destas opções. Andaram a promover a ideia de que o mundo é mais bem gerido pela "mão invisível" dos mercados do que pelos poderes democraticamente eleitos. De que é que precisam mais para perceber que este é o resultado da sua globalização: que Marine Le Pen vença as presidenciais francesas?" Ricardo Paes Mamede, Ladrões de Bicicletas

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D