Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Pedro Rolo Duarte

30
Dez14

DN

O primeiro jornal onde publiquei um texto assinado foi o “Correio da Manhã”, no suplemento “Correio dos Jovens”. Mas o primeiro jornal que me pagou por uma matéria foi o “Diário de Notícias” - em 1983, na sequência de uma carta que enviei, salvo erro, ao Rogério Petinga, com uma proposta de uma coluna regular sobre musica. Juntei a essa carta as minhas crónicas do “Correio dos Jovens” e fui contratado.
Depois disso, escrevi no DN, durante mais de dez anos, crónicas semanais, diárias; mais tarde imaginei, criei e dirigi um suplemento que viveu feliz dez anos (O DNA), estive na direcção do jornal no mandato de Miguel Coutinho, e ainda fui colunista no mandato seguinte. Posso dizer que foi o jornal onde colaborei durante mais anos consecutivos (em rigor, 27 anos…), e aquele a que dei mais do que julguei saber.
Ao olhar a edição comemorativa dos 150 anos do jornal, reconheci-me em muitas daquelas páginas. Não por mim, nem pela grandeza do jornal, bem para lá de qualquer pessoa individual, mas pela dimensão daquele mundo de História e Vida que o DN encerra em si, do arquivo ao logotipo, do edifício à sua identidade, e que qualquer jornalista que por ali passa sente e respeita como algo que está além da existência simples de cada um.
Hoje, o DN está longe de mim (e eu, dele). Não por gosto. Nem por isso, no entanto, deixo de me rever no bocado de vida que lhe dei. Ou que ele me deu. Devemos andar ela por ela, no deve e no haver. E isso é bom.
Venham mais 150 anos, seja qual for a forma, o formato, a textura, o cheiro. Um jornal, sabemos agora, é bem mais do que papel impresso. Só nos falta saber o que vai ser.

Blog da semana

Ladrões de Bicicletas. Voltar a um dos mais clássicos blogues colectivos de análise e pensamento social e político e reencontrar excelentes textos, opiniões pensadas antes de escritas, e o prazer de um bom serão ao sofá a ler. Like.

Uma boa frase

“O centrão político - conservadores, liberais, social-democratas, trabalhistas - anda há mais de vinte anos a liberalizar os movimentos de capitais, a desregulamentar as actividades financeiras, a promover o "comércio livre", menorizando as consequências resdistributivas destas opções. Andaram a promover a ideia de que o mundo é mais bem gerido pela "mão invisível" dos mercados do que pelos poderes democraticamente eleitos. De que é que precisam mais para perceber que este é o resultado da sua globalização: que Marine Le Pen vença as presidenciais francesas?" Ricardo Paes Mamede, Ladrões de Bicicletas

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D