Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pedro Rolo Duarte

23
Ago14

Estar de um lado, estar do outro lado

Esta crónica do Miguel Esteves Cardoso tem dado polémica quanto baste por essa internet fora. Não percebi porquê, dado que se trata apenas da opinião dele - meu maior amigo de sempre, entre poucos, disclaimer feito… -, e que se peca por algo é por ser tardia. Porque do lado oposto da “barricada” nunca faltaram nem faltam crónicas e opiniões, nem julgamentos sumários. Todos os dias. A toda a hora.
Dito isto, e deixando de fora o que penso sobre a matéria (por demasiado confuso e desconfiadamente informado, reservo para mim o que penso, já de si contraditório…), o que retiro dos ódios, ataques, criticas, insultos e parvoíces sobre a crónica do Miguel (não falando na inveja de quem nada faz a não ser criticar quem algo faz), é simples: se quem defende os palestinianos é tão pouco ou nada tolerante para com a opinião alheia, abre a brecha da duvida sobre quem está certo ou errado neste tema.
Há sempre, em democracia, um lado certo e um lado errado. Porém, nenhum de nós tem poder ou saber para definir qual deles é o certo - só mesmo a nossa opinião sublinha o que julgamos. Um lado não vive sem o outro - e ambos sobrevivem no confronto entre si. Esse é talvez o lado mais fascinante do regime que escolhemos para nos organizar. Ontem, o Miguel respondeu com (ainda mais) génio a quem o criticou e insultou. E o que eu gostei de ler, só eu sei. Sigamos para fim-de-semana.

6 comentários

Comentar post

Blog da semana

Ladrões de Bicicletas. Voltar a um dos mais clássicos blogues colectivos de análise e pensamento social e político e reencontrar excelentes textos, opiniões pensadas antes de escritas, e o prazer de um bom serão ao sofá a ler. Like.

Uma boa frase

“O centrão político - conservadores, liberais, social-democratas, trabalhistas - anda há mais de vinte anos a liberalizar os movimentos de capitais, a desregulamentar as actividades financeiras, a promover o "comércio livre", menorizando as consequências resdistributivas destas opções. Andaram a promover a ideia de que o mundo é mais bem gerido pela "mão invisível" dos mercados do que pelos poderes democraticamente eleitos. De que é que precisam mais para perceber que este é o resultado da sua globalização: que Marine Le Pen vença as presidenciais francesas?" Ricardo Paes Mamede, Ladrões de Bicicletas

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D