Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pedro Rolo Duarte

05
Jul15

Europa

Cada vez me irritam mais os “achismos”, os “achistas”, os “palpitadeiros” de ocasião. Por isso, evito vir para aqui mandar palpites sobre temas cuja complexidade, por mais informação que tenha, me escapa.
É o caso da Grécia, do referendo de hoje, e da sua permanência no Euro.
Mas não é preciso ser especialista, nem “achista” de ocasião, para perceber que o drama grego é apenas o sinal exterior mais evidente do lugar onde chegámos. O sonho da Europa solidária (com o qual cresci e a que aderi, confiante e crédulo, como no passado também caí na conversa de amanhãs que cantavam…) morreu na praia dos interesses eternamente conflituantes entre os países ricos e pobres. Nenhum deles mudou ou se adaptou à realidade europeia: nem os ricos se tornaram mais solidários, nem os pobres deixaram de dormir à sombra da bananeira dos fundos de coesão. Estamos todos na mesma. Estamos todos, como cantou José Afonso, “nas nossas tamanquinhas”.
Assim, parece-me cada vez mais claro que, com ou sem Grécia na zona euro, alguma coisa vai ter mesmo de mudar. Está a chegar o momento do “vai ou racha”. A Europa em que acreditámos, afinal, nunca existiu - e a que sobrar, depois de todos estes tropeções, será outra. Bem distante dessa ideia solidária e fraterna.
A raça humana não mudou. Aqui, na Grécia, ou na Alemanha.

2 comentários

Comentar post

Blog da semana

Ladrões de Bicicletas. Voltar a um dos mais clássicos blogues colectivos de análise e pensamento social e político e reencontrar excelentes textos, opiniões pensadas antes de escritas, e o prazer de um bom serão ao sofá a ler. Like.

Uma boa frase

“O centrão político - conservadores, liberais, social-democratas, trabalhistas - anda há mais de vinte anos a liberalizar os movimentos de capitais, a desregulamentar as actividades financeiras, a promover o "comércio livre", menorizando as consequências resdistributivas destas opções. Andaram a promover a ideia de que o mundo é mais bem gerido pela "mão invisível" dos mercados do que pelos poderes democraticamente eleitos. De que é que precisam mais para perceber que este é o resultado da sua globalização: que Marine Le Pen vença as presidenciais francesas?" Ricardo Paes Mamede, Ladrões de Bicicletas

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D