Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pedro Rolo Duarte

31
Jan15

Lembrar e esquecer

(Crónica originalmente publicada na revista Lux Woman. A edição deste mês, cheia de amor e namorados, já está nas bancas. E está muito bem!)

Para escrever a crónica que está a começar a ler, tive de fazer o mesmo exercício de sempre, pela ordem habitual: apontar na agenda (em papel…) “escrever crónica Lux Woman”, marcar o dia em que a ela me começo a dedicar, e depois passar os olhos pelos cadernos onde tomo noto de ideias que vou tendo ao longo do mês. Por fim, escolher o tema que me parece mais interessante, e fazer um primeiro rascunho. Como geralmente escrevo à noite, imprimo o rascunho e deixo-o em cima da mesa com a nota “ler e editar”.
Não sigo este processo por ser um profissional rigoroso ou por falta de dedicação - faço-o porque é a única defesa que tenho contra a minha crónica falta de memória. Escrevo tudo o que faço, penso, ou tenho de fazer, e há anos que sigo regras apertadas para não falhar. Antes de me deitar, anoto num bloco o que tenho de fazer no dia seguinte - isto independentemente de ter uma agenda onde também sublinho os compromissos já assumidos. O facto de ter rotinas - uma crónica mensal, uma aula semanal, um programa de rádio ou televisão - não melhora as coisas: se eu não escrever, não apareço, ou lembro-me no ultimo minuto. A minha memória é galinácea desde os tempos do liceu, e tem piorado com os anos. Ampliou-se para campos pouco educados: os nomes e as caras das pessoas, o que fiz na semana passada ou, no limite, disse ontem.
O que resulta desta condição é, por um lado, muito tempo perdido a tomar nota de tudo - e por outro, uma montanha de equívocos que às vezes desaguam no mar das considerações infelizes sobre a minha pessoa: o tipo tem a mania, é presumido, fez de conta que não me conhecia, etc..
Como é de calcular, o tema “memória” interessa-me (nem que seja para recordar o peixe Dory, do filme Nemo…). Sempre que se fala da “memória curta” dos portugueses, respiro fundo: essa memória curta que nos leva a repetidamente votar naqueles que tantas vezes nos enganam, felizmente não se abate sobre mim.
Um dia li uma crónica do Miguel Esteves Cardoso que quase me reconciliou com a deficiência: o Miguel escrevia que “o amor e a memória conspiram juntos. É por não nos conseguirmos lembrar de quem amamos que temos de estar sempre junto dela. A olhar para ela. Cada vez que a vejo sou apanhado de surpresa”. Muito romântico, sem duvida. Durante alguns minutos achei que, afinal, estava certo. Mas depois cheirou-me a queimado na sala e percebi que tinha deixado estorricar uma carne que estava a assar no forno. Esquecimento. Foi-se o romantismo.
Agora, há poucas semanas, tudo mudou.
O jornalismo já me tinha ensinado que há sempre duas formas de observar qualquer tema, e que a dicotomia bom/mau é demasiado redutora para resolver a vida. Mas foi preciso uma ideia radical para me acordar para o lado bom desta realidade. Passou-se nas páginas do jornal “Pùblico”, numa entrevista de Isabel Lucas a António Lobo Antunes. Às tantas, fala-se da memória e o escritor tem esta tirada absolutamente surpreendente: "A minha memória é terrível. Tenho uma memória péssima, lembro-me de tudo. Parece aqueles tecidos a que se pega tudo”.
Fiquei varado. Paralisado. Sem reacção. Nunca me ocorrera essa variante: lembrarmo-nos de tudo pode ser ainda pior do que não nos lembrarmos de nada! E não é que é verdade?
O facto de me esquecer, em muitos casos, alivia. Desculpo, perdoo e relativizo com enorme facilidade, não tenho muito tempo para remoer nos factos. Desaparecem. Esfumam-se. Morrem.
Aos poucos, recuperando o fôlego, comecei a pensar pela cabeça de Lobo Antunes e a tentar imaginar o que seria se tivesse uma excelente memória. Não demorei muito a fazer as pazes com a minha condição e começar, por fim, a dar-lhe algum valor.
É verdade: viver com memória de galinha dá trabalho e obriga a uma ginástica cansativa - mas, por outro lado, livra-nos de tanto lixo, tanta irrelevância, que nos liberta para a paz de espírito. E foi graças a António Lobo Antunes (cujo primeiro livro, nem por acaso, se intitula “Memória de Elefante”…), que percebi que certos defeitos podem num ápice passar a qualidades. Só espero não me esquecer da frase dele. Vou já tomar nota: “Tenho uma memória péssima, lembro-me de tudo”. Era assim, não era?

2 comentários

Comentar post

Blog da semana

Ladrões de Bicicletas. Voltar a um dos mais clássicos blogues colectivos de análise e pensamento social e político e reencontrar excelentes textos, opiniões pensadas antes de escritas, e o prazer de um bom serão ao sofá a ler. Like.

Uma boa frase

“O centrão político - conservadores, liberais, social-democratas, trabalhistas - anda há mais de vinte anos a liberalizar os movimentos de capitais, a desregulamentar as actividades financeiras, a promover o "comércio livre", menorizando as consequências resdistributivas destas opções. Andaram a promover a ideia de que o mundo é mais bem gerido pela "mão invisível" dos mercados do que pelos poderes democraticamente eleitos. De que é que precisam mais para perceber que este é o resultado da sua globalização: que Marine Le Pen vença as presidenciais francesas?" Ricardo Paes Mamede, Ladrões de Bicicletas

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais comentários e ideias

pedro.roloduarte@sapo.pt

Seguir

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D